Invest

Cyrela (CYRE3): Vendas crescem 67% no 3º trimestre

Incorporadora acumula R$ 5,22 bilhões em vendas contratadas no ano, representando alta de 32%

Cyrela: Vendas ficam em R$ 2,286 bilhões no trimestre (Evengy Makarov/Bloomberg)

Cyrela: Vendas ficam em R$ 2,286 bilhões no trimestre (Evengy Makarov/Bloomberg)

GG

Guilherme Guilherme

Publicado em 13 de outubro de 2022 às 08h49.

Última atualização em 13 de outubro de 2022 às 08h51.

A Cyrela (CYRE3) alcançou R$ 2,286 bilhões em vendas contratadas no terceiro trimestre, 67,4% acima das realizadas no mesmo período do ano passado. O montante também representa crescimento em relação ao trimestre anterior, quando as vendas ficaram em R$ 1,622 bilhão. Os números foram divulgados em prévia operacional nesta quinta-feira, 13.

No acumulado do ano, as vendas encerraram setembro em R$ 5,22 bilhões, 31,9% acima dos nove primeiros meses de 2021.

Cerca da metade das vendas do trimestre foram de lançamentos, 44% do estoque em construção e 3% de vendas do estoque pronto.

Foram feitos 14 lançamentos no terceiro trimestre com valor geral de vendas (VGV) de R$ 2,928 bilhões, 33,1% superior na comparação anual. A participação da Cyrela nos lançamentos foi de 73%, inferior à apresentada no mesmo trimestre de 2021, quando teve 90% de participação.

O VGV de lançamentos da Cyrela acumulado no ano está em R$ 6,292 bilhões. O percentual é de 38,3% acima do mesmo período de 2021. Excluindo as permutas, o VGV dos nove primeiros meses do ano foi de R$ 4,412 bilhões.

Os dados divulgados nesta manhã ainda estão sujeitos à revisão da auditoria. O resultado oficial da Cyrela está previsto para 10 de novembro.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia.

Acompanhe tudo sobre:BalançosCyrelaResultado

Mais de Invest

Mega-Sena sorteia prêmio de R$ 15 milhões neste sábado; veja como apostar

Renda passiva: veja como fazer o dinheiro trabalhar por você

Casal que ganhou R$ 324 milhões em loteria americana perde fortuna com investimentos mal-sucedidos

INSS volta a exigir perícia médica para prorrogar 'auxílio-doença'; entenda

Mais na Exame