Invest

Cosan: Itaú investe R$ 4,11 bilhões na holding de Ometto para ficar com 10,5% da Raízen

Cosan Nove é veículo por meio do qual a holding é co-controladora da maior empresa de etanol do Brasil

Cosan (CSAN3), unidade de Jataí: companhia anunciou um investimento de R$ 4,115 bilhões do Itaú na Cosan Nove (Divulgação/Divulgação)

Cosan (CSAN3), unidade de Jataí: companhia anunciou um investimento de R$ 4,115 bilhões do Itaú na Cosan Nove (Divulgação/Divulgação)

GV

Graziella Valenti

Publicado em 28 de dezembro de 2022 às 20h53.

Última atualização em 28 de dezembro de 2022 às 21h06.

O ano de 2022 quase terminou, mas não para a Cosan (CSAN3),conglomerado de Rubens Ometto, um dos maiores do país. A companhia anunciou um investimento de R$ 4,115 bilhões do Itaú (ITUB4) na Cosan Nove, veículo por meio do qual a holding é co-controladora da Raízen (RAIZ4), a maior empresa de etanol do Brasil e dona da operação dos postos Shell no país.

Pelo investimento, o Itaú passa a deter 27% da Cosan Nove que, por sua vez, é dona de 39% da Raízen. Na prática, portanto, o Itaú passa a ser dono de 10,5% da Raízen – o que indica que a transação foi feita a preços de mercado. A companhia é avaliada em torno de R$ 39 bilhões na B3.

O movimento vem na esteira de duas outras grandes novidades. Na semana passada, foi a vez a do Bradesco (BBDC4), que adquiriu 23% da Cosan Dez, veículo por meio do qual o grupo de Ometto controla a Compass, que é dona da Comgás (CGAS5).

Ambas as transações capitalizam a Cosan que, em outubro, adquiriu 5% da Vale, num negócio de R$ 17 bilhões.

Leia também: Bradesco BBI paga R$ 4 bi e fica com 23% de empresa da Cosan (CSAN3) que controla a Compass

Acompanhe tudo sobre:CosanItaúRaízen

Mais de Invest

Veja o resultado da Mega-Sena, concurso 2729; prêmio é de R$ 47 milhões

As despesas médicas que podem ser deduzidas na declaração do Imposto de Renda

Auxílio Reconstrução de R$ 5,1 mil: moradores do RS devem confirmar dados a partir de segunda-feira

Por que Argentina de Milei tem animado o mercado, apesar de inflação recorde e retração

Mais na Exame