Conflito na Ucrânia: Goldman Sachs estima impacto em bolsas globais

Prêmio de risco político começa a ser incorporado ao preço dos ativos; bolsas americanas podem recuar 6% adicionais
Operadores na Bolsa de Nova York: cresce a preocupação com tensão envolvendo a Rússia | Foto: Lucas Jackson/Reuters (Reuters/Lucas Jackson)
Operadores na Bolsa de Nova York: cresce a preocupação com tensão envolvendo a Rússia | Foto: Lucas Jackson/Reuters (Reuters/Lucas Jackson)
Por BloombergPublicado em 22/02/2022 15:34 | Última atualização em 22/02/2022 15:34Tempo de Leitura: 3 min de leitura

Por Emily Barrett e Abhishek Vishnoi

Um conflito total na Ucrânia, somado a sanções punitivas por parte de países do Ocidente, pode intensificar a queda do mercado acionário dos Estados Unidos, com mais 6% de perda em relação ao fechamento de sexta-feira, dia 18, de acordo com o Goldman Sachs. O tombo seria maior nas bolsas da Europa e do Japão.

Considerando que é notoriamente difícil montar estratégias de negociação em meio a tumultos geopolíticos, os estrategistas do Goldman usaram como base para os cálculos a sensibilidade recente dos ativos globais ao rublo, segundo relatório divulgado na segunda-feira, dia 21.

Na pior das hipóteses, um declínio de 10% na moeda russa elevaria a cotação do petróleo em 13% e causaria queda de 0,27 ponto percentual no rendimento do título do Tesouro americano usado como referência no mercado.

Tenha acesso agora a todos materiais gratuitos da EXAME para investimentos, educação e desenvolvimento pessoal

Os investidores estão aumentando posições em títulos do Tesouro americano e vendendo ações diante da escalada das tensões perto da fronteira da Ucrânia, tentando proteger seus investimentos e mapeando possíveis cenários.

O presidente russo, Vladimir Putin, reconheceu duas repúblicas separatistas e esse desdobramento pode arruinar negociações de paz mediadas pela Europa. A disparada dos preços de energia ameaçaria o crescimento econômico e elevaria a inflação.

A Rússia negou repetidamente planos de atacar a Ucrânia.

“As tensões entre Rússia e Ucrânia pareciam afetar principalmente os ativos locais em janeiro, mas as repercussões para os ativos globais ficaram mais óbvias em fevereiro”, escreveu a equipe do Goldman, que inclui Dominic Wilson.

“Se os riscos aumentarem ainda mais e entrarmos em um cenário de conflito total somado a sanções punitivas, a construção do prêmio de risco político muito provavelmente se estenderia.”

O pior cenário do Goldman também contempla queda de 9% nas bolsas da Europa e do Japão, queda de quase 10% no índice Nasdaq e depreciação de 2% do euro em relação ao dólar.

Por outro lado, um cenário de diminuição das tensões faria o rublo se fortalecer, as ações de bolsas americanas subiriam 6% e o rendimento dos títulos do Tesouro americano daria um salto, segundo o estudo.

As estimativas do Goldman têm como cálculos apontando que a moeda russa ainda está a mais de 10% de distância do nível mais subvalorizado das últimas duas décadas. Segundo os estrategistas, é uma “referência conservadora”.