Exame logo 55 anos
Remy Sharp
Acompanhe:

A Gama Investimentos quer entrar na nova era dos fundos de investimentos com uma meta (para lá de) ousada: multiplicar o atual volume sob gestão de R$ 3,4 bilhões por dez e se tornar o maior hub de fundos estrangeiros do país. Tudo isso em cinco anos.

Focada em fundos feeders, a gestora já tem dentro de casa produtos da Bridgewater, de Ray Dalio, e Oaktree, de Howard Marks, admirado por ninguém menos que Warren Buffet. São nove o número de gestoras plugadas à Gama. Mas o objetivo é aumentar essa quantidade no curto prazo para o dobro, pelo menos.

"Diversificação com investimentos no exterior agrega valor ao portfólio dos investidores. Por isso, queremos aglutinar dentro da Gama os melhores gestores globais", disse Bernardo Queima, CEO da Gama Investimentos, em entrevista à Exame Invest.

O impulso para a expansão acelerada, explicou Queima, vem da nova resolução 175 da CVM, que entrou em vigor nesta semana. Entre as diversas mudanças na indústria de fundos promovidas pela 175 está o maior acesso de investidores de varejo aos fundos que investem 100% no exterior antes restritos a investidores qualificados, com mais de R$ 1 milhão em investimentos. Para atender a esse novo público, a Gama oferece seus fundos a um valor de entrada relativamente baixo, a partir de R$ 500. "Nos Estados Unidos, por exemplo, seria impossível investir nos principais fundos da Bridgewater com esse valor.", comentou Queima.

Fundos de investimentos no exterior de ações e multimercados somam cerca de R$ 880 bilhões sob gestão. No início de 2016, esse montante era próximo de R$ 210 bilhões. "Agora, com o maior acesso, esperamos que esse volume se multiplique por dez. Devemos acompanhar esse crescimento", afirmou.

Bernardo Queima, CEO da Gama Investimentos | Foto: Leandro Fonseca/Exame

Maior oferta de fundos

Além da expectativa de maior demanda por fundos de investimentos no exterior a partir da nova resolução, espera=se uma maior oferta. Isso porque caiu a regra que exigia a existência de um regulador na jurisdição de origem que verificasse se o fundo estava atendendo aos requisitos da jurisdição brasileira. Agora, bastará ter um órgão supervisor na origem do fundo. "Na pratica, a regra anterior limitava a jurisdição à da Europa, que é uma fração pequena do mercado mundial. Isso irá aumentar muito o número de opções na mesa."

A Gama tem buscado gestoras do mundo todo, na tentativa de ampliar o leque de variedades para seus investidores. Duas casas da Ásia, inclusive, têm mantido conversas para ofertarem seus fundos por meio da Gama. "O grande investidor está olhando para a Índia, para a China. Então, provavelmente teremos gestores com estratégias especializadas para esses mercados", disse Ian Caó, diretor de investimentos da Gama.

Esses novos feeders, disse Caó, deverão aumentar a competitividade com fundos locais que investem no exterior. "Muitos deles investem por meio de BDRs, que ainda são poucos em relação ao número de ações disponíveis no exterior. Além disso, essas gestoras têm a experiência de fazer isso há muitos anos."

Ian Caó, diretor de investimentos da Gama Investimentos | Foto: Leandro Fonseca/Exame

Novos tempos, nova casa

Para se preparar para os novos tempos, Gama se mudou para um escritório maior. Localizado no edifício FL Corporate, na Faria Lima, o novo escritório tem capacidade para entre 50 e 60 pessoas. Já trabalham no local mais de 30 pessoas, entre funcionários da Gama e da HMC, sua holding controladora. O contrato firmado com a administradora do prédio é de cinco anos. Mas, a depender da ambição da gestora, antes mesmo do prazo, um lugar ainda maior será necessário.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Braskem (BRKM5) desaba 9% e perde R$ 2 bilhões em valor de mercado por risco de mina em Maceió

seloMercados

Braskem (BRKM5) desaba 9% e perde R$ 2 bilhões em valor de mercado por risco de mina em Maceió

Há 3 horas

Ibovespa agora: bolsa opera em queda no aguardo de falas de presidentes de BCs

seloMercados

Bolsa opera em queda no aguardo de falas de presidentes de BCs

Há 5 horas

Maiores altas de novembro: esta ação subiu mais de 50% no Ibovespa durante o mês. Por quê?

seloMercados

Maiores altas de novembro: esta ação subiu mais de 50% no Ibovespa durante o mês. Por quê?

Há 6 horas

Casas Bahia (BHIA3) deixa o Ibovespa em primeira prévia do índice para 2024

seloMercados

Casas Bahia (BHIA3) deixa o Ibovespa em primeira prévia do índice para 2024

Há 6 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Com itens personalizados, Tramontina usa expertise para aproveitar alta dos presentes de fim de ano

Com itens personalizados, Tramontina usa expertise para aproveitar alta dos presentes de fim de ano

Suvinil investe para criar embalagens e produtos mais sustentáveis

Suvinil investe para criar embalagens e produtos mais sustentáveis

Inovação em nuvem e IA: a aposta da Huawei Cloud para o Brasil

Inovação em nuvem e IA: a aposta da Huawei Cloud para o Brasil

Poupança, CDB ou conta que rende? O que especialistas dizem sobre as aplicações
Minhas Finanças

Poupança, CDB ou conta que rende? O que especialistas dizem sobre as aplicações

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais