Celsius Network, plataforma de criptomoedas, entra em recuperação judicial em Nova York

A Celsius, uma das maiores plataformas de empréstimo de criptomoedas do mundo, já tinha congelado os ativos de seus clientes
A Celsius Network pediu recuperação judicial na base do chamado “Capítulo 11” da lei americana sobre falências (Celsius Network/Exame)
A Celsius Network pediu recuperação judicial na base do chamado “Capítulo 11” da lei americana sobre falências (Celsius Network/Exame)
Carlo Cauti
Carlo Cauti

Publicado em 14/07/2022 às 08:59.

Última atualização em 14/07/2022 às 10:33.

A Celsius Network, uma das maiores plataformas de empréstimo de criptomoedas do mundo, entrou com pedido de recuperação judicial no tribunal federal de Nova York nesta quinta-feira, 14.

A Celsius Network pediu recuperação judicial na base do chamado “Capítulo 11” da lei americana sobre falências, que prevê a possibilidade de reestruturação de empresas que não conseguem honrar seus compromissos financeiros.

Cerca de um mês atrás a Celsius, uma das maiores plataformas de empréstimo de criptomoedas do mundo, tinha congelado os ativos de seus clientes, retendo bilhões de dólares em mais de um milhão de contas.

Em um comunicado, a a Celsius informou que seu pedido seria uma “oportunidade de estabilizar seus negócios” e passar por uma reestruturação “que maximiza o valor para todas as partes interessadas”.

“A apresentação de hoje segue a difícil, mas necessária decisão da Celsius no mês passado de pausar saques, swaps e transferências em sua plataforma para estabilizar seus negócios e proteger seus clientes”, informou um comitê especial do conselho de administração da Celsius em um comunicado à imprensa divulgado no site da empresa.

Modelo de negócios arriscado

Celsius é uma plataforma que recebia depósitos de criptoativos, remunerado com juros elevados, e emprestava os mesmos para outros clientes com juros ainda mais altos, lucrando com a diferença.

Para atrair investidores, a Celsius alegava que os riscos da operação eram baixos e os retornos para os depositantes muito mais elevados do que em bancos tradicionais.

A empresa foi fundada em 2017 e no final do ano passado, quando recebeu sua última rodada de investimentos, chegou a valer US$ 3 bilhões.

Em maio, a plataforma tinha US$ 11,8 bilhões em ativos sob custódia, contra os US$ 15 bilhões de ativos declarados em outubro passado.

Entretanto, nos últimos meses a demanda por empréstimos de criptoativos por parte de investidores institucionais diminuiu progressivamente, e a Celsius começou a registrar problemas em sua operação.

A Celsius não é a primeira plataforma que entra em processo de recuperação judicial.

Recentemente, outras grandes plataformas digitais de crédito com criptoativos enfrentaram um destino semelhante, em meio a uma forte baixa da cotação das criptomoedas e a implosão de um fundo de hedge cripto altamente alavancado, a Three Arrows Capital, que entrou com pedido de recuperação judicial também este mês.

Outra empresa que teve um destino semelhante foi a plataforma de crédito em criptomoedas, Voyager Digital.

Outras plataformas do setor evitaram quebrar por pouco, sendo salvas quando receberam dinheiro de emergência em um custo muito baixo.

Crise da Celsius começou com queda do valor dos criptoativos

A crise começou este ano, por causa da forte queda de valor das criptomoedas.

Por causa dessa baixa nas cotações, os credores que oferecem empréstimos de criptomoedas de alto rendimento enfrentaram crises de liquidez e resgates de clientes, gerando uma situação financeira instável.

A resposta de muitas plataformas foi o bloqueio dos saques de clientes ou pedidos de recuperação judicial.

A própria Celsius informou em nota que se não tivesse restringido os saques teria enfrentado uma corrida de seus clientes para retirar os depósitos.

"Sem essa interrupção, a aceleração dos saques teria permitido que certos clientes - aqueles que foram os primeiros a agir - fossem pagos integralmente, deixando outros para trás com pedidos ilíquidos ou que seriam pagos somente no longo prazo", informou a empresa.

A Alvarez & Marsal, uma consultoria que ficou famosa no mercado americano após atuar na falência do banco de investimento Lehman Brothers em 2008, se tornou consultora da reestruturação da Celsius.