Acompanhe:

BRK e BTG realizam primeira emissão de debênture azul do país

No valor de R$ 1,95 bilhão, aplicação vai beneficiar projeto de saneamento básico na região metropolitana de Maceió (AL)

Maceió: emissão teve demanda superior a R$ 3 bilhões (Rodrigo Bread / EyeEm/Getty Images)

Maceió: emissão teve demanda superior a R$ 3 bilhões (Rodrigo Bread / EyeEm/Getty Images)

M
Marília Almeida

Publicado em 10 de novembro de 2022, 16h37.

A BRK Ambiental Região Metropolitana de Maceió S.A, em parceria com o BTG Pactual (BPAC11), realizou a primeira emissão de debêntures azuis no Brasil. O banco de investimentos atuou como coordenador líder e assessor de project finance da oferta no valor de R$ 1,95 bilhão e com prazo de 20 anos.

O valor servirá para o pagamento da outorga necessária à universalização dos serviços de saneamento na região metropolitana da capital de Alagoas. O projeto irá beneficiar mais de 1,5 milhão de pessoas que moram em 13 cidades.

Os serviços foram concedidos à BRK a partir do primeiro leilão estruturado pelo BNDES e realizado após a aprovação do Marco Regulatório do Saneamento, em 2020.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia

As debêntures azuis, ou blue bonds, são papéis de dívida emitidos especificamente para financiar projetos com benefícios ambientais ligados à preservação de recursos hídricos, por meio da preservação dos oceanos e da vida marítima.

A emissão teve demanda superior a R$ 3 bilhões e foi direcionada para um público composto por investidores institucionais e de varejo. Classificada como debênture de infraestrutura incentivada, ela contou com isenção de imposto de renda para pessoas físicas.

“Como o setor de saneamento segue aquecido, com forte atração de capital privado, temos espaço para novas emissões para financiar projetos como este", explica o head de mercado de capitais de renda fixa e project finance do BTG Pactual, Daniel Vaz.

A emissão incluiu ainda os bancos Bradesco, Itaú BBA, Santander, UBS/Banco do Brasil, Safra e XP, como parte do sindicato liderado pelo BTG.