BR Properties tem prejuízo de R$ 1,47 bilhão no 2º trimestre

O número da última linha do balanço foi comprometido por efeitos contábeis relacionados à venda do portfólio em julho
BR Properties: a receita líquida da companhia subiu 25%, para R$ 98 milhões (BR Properties/Divulgação)
BR Properties: a receita líquida da companhia subiu 25%, para R$ 98 milhões (BR Properties/Divulgação)
E
Estadão ConteúdoPublicado em 11/08/2022 às 19:13.

A BR Properties, empresa que realiza investimentos e locação de imóveis comerciais, terminou o segundo trimestre com prejuízo de R$ 1,47 bilhão, um resultado que reverte o lucro de R$ 27,8 milhões de um ano antes.

O número da última linha do balanço foi comprometido por efeitos contábeis relacionados à venda do portfólio em julho. Entre eles R$ 554,8 milhões em baixa do intangível e o desconto sobre o valor de avaliação das propriedades da ordem de R$ 964,7 milhões além de R$ 426,1 milhões da reversão de impostos diferidos das propriedades.

Na parte operacional do balanço, a receita líquida da companhia subiu 25%, para R$ 98 milhões, enquanto a geração de caixa medida pelo Ebitda - o lucro sem os descontos das despesas financeiras, impostos, depreciação e amortização - avançou 22%, chegando no trimestre a R$ 67,4 milhões, em valor ajustado.

A BR Properties informou em seu balanço que, dada a qualidade de crédito de sua base de locatários, seguiu com níveis "baixíssimos" de inadimplência no portfólio: 0,5% no segundo trimestre. Não fossem os efeitos contábeis, sem efeito no caixa, e não recorrentes do período, a companhia diz que teria apresentado lucro líquido ajustado de R$ 3,7 milhões.

Contra o segundo trimestre de 2021, o valor do aluguel médio por metro quadrado das propriedades da empresa, considerando contratos correntes e novas locações, teve aumento de 9,8%. Já a taxa de vacância física - total da área bruta locável do portfólio que esteve vaga - foi de 24,9%, abaixo dos 30,5% do mesmo trimestre do ano passado.

LEIA TAMBÉM: 

BR Properties quer reduzir capital e devolver mais de 25% do preço da ação aos acionistas