Mercados

Bovespa sobe com melhora no exterior e situação corporativa

Principal índice recebeu impulso da melhora do humor no exterior e com ganhos de bancos e da Petrobras entre os destaques de alta


	Bovespa: às 11:26, o Ibovespa subia 1,25 por cento, a 61.880 pontos
 (Alexandre Battibugli/Site Exame)

Bovespa: às 11:26, o Ibovespa subia 1,25 por cento, a 61.880 pontos (Alexandre Battibugli/Site Exame)

DR

Da Redação

Publicado em 14 de outubro de 2016 às 12h46.

São Paulo - A bolsa paulista subia nesta sexta-feira, com seu principal índice recebendo impulso da melhora do humor no exterior e com ganhos de bancos e da Petrobras entre os destaques de alta, em sessão com intenso noticiário corporativo.

Às 11:26, o Ibovespa subia 1,25 por cento, a 61.880 pontos. O giro financeiro estava em 2,09 bilhão de reais.

As preocupações com a economia chinesa levantadas na véspera após dados do comércio exterior diminuíram nesta sessão, após a divulgação dos dados mostrando que os preços ao produtor na China subiram inesperadamente em setembro pela primeira vez em quase cinco anos e que a alta dos preços ao consumidor acelerou no mês passado.

"Sinais de estabilização importantes vindos da China, após dados fracos de exportações e importações. Num mundo que cresce pouco, e cujo equilíbrio parece cada vez mais instável, é algo a se comemorar", escreveram analistas da corretora Guide Investimentos em nota a clientes.

Destaques

- PETROBRAS PN subia 2,54 por cento e PETROBRAS ON ganhava 2,11 por cento, após a empresa anunciar uma nova política para reajustes, movimento considerado positivo por analistas por trazer previsibilidade para o desempenho da empresa.

- VALE PN avançava 1,97 por cento, enquanto VALE ON tinha alta de 1,8 por cento. Os papéis da mineradora ganhavam impulso do alívio nas preocupações com a economia chinesa.

- BRADESCO PN subia 1,2 por cento, beneficiado pela repercussão da saída do presidente da CIELO para assumir uma cadeira na diretoria executiva do banco. Os papéis da Cielo, no entanto, figuravam entre as poucas baixas do índice, caindo 1,99 por cento, embora longe das mínimas mais cedo, quando chegaram a cair 4,5 por cento.

- EMBRAER avançava 2,92 por cento. No radar estava a divulgação dos dados operacionais da empresa, que mostraram que a empresa entregou 54 aeronaves no terceiro trimestre, ante 51 entregues em igual período do ano passado.

- LOJAS AMERICANAS PN subia 0,05 por cento, após a empresa anunciar que está interessada em participar do processo de aquisição de uma fatia na BR Distribuidora, unidade de combustíveis da Petrobras .

- BM&FBOVESPA avançava 1,59 por cento, enquanto CETIP tinha variação positiva de 0,11 por cento. No radar estava o pedido do Cade por mais informações sobre a fusão entre as duas empresas.

- OI ON tinha estabilidade, enquanto OI PN subia 0,35 por cento. Como pano de fundo estava a notícia de que a Anatel afirmou que o grupo de telecomunicações em recuperação judicial deve à autarquia mais de 20 bilhões de reais em multas e outras obrigações.

*Atualizado às 11h44

Acompanhe tudo sobre:3GAçõesAmericanasB2WB3Bancosbolsas-de-valoresBradescoBrasil TelecomCapitalização da Petrobrascidades-brasileirasComércioEmbraerEmpresasEmpresas abertasEmpresas brasileirasEmpresas estataisEmpresas portuguesasempresas-de-tecnologiaEstatais brasileirasFinançasGás e combustíveisIbovespaIndústria do petróleoMercado financeiroMetrópoles globaisMineraçãoOiOperadoras de celularPetrobrasPetróleosao-pauloServiçosservicos-financeirosSetor de transporteSiderúrgicasTelecomunicaçõesTelemarValeVarejo

Mais de Mercados

Cenário é potencialmente o mais perigoso desde a 2ª Guerra, diz Jamie Dimon, CEO do J.P. Morgan

Bancos abrem temporada de balanços em queda nos EUA; Wells Fargo despenca 7%

Ibovespa sobe pelo 10º pregão seguido e fecha próximo dos 129 mil pontos

Balanços de bancos americanos, PPI dos EUA e pesquisa de serviços do Brasil: o que move o mercado

Mais na Exame