Bovespa sobe com ganhos da Petrobras e renova máxima

O Ibovespa subiu 0,65%, a 60.644 pontos, renovando a máxima desde 5 de setembro de 2014, quando fechou em 60.681 pontos

São Paulo - O principal índice da Bovespa fechou no azul nesta quinta-feira, amparado pelo otimismo com o avanço de medidas econômicas no Congresso Nacional e impulsionado pelos ganhos da Petrobras.

O Ibovespa subiu 0,65 por cento, a 60.644 pontos, renovando a máxima desde 5 de setembro de 2014, quando fechou em 60.681 pontos. O volume financeiro ficou em 6,9 bilhões de reais.

O pregão foi marcado por alguma volatilidade, com o Ibovespa subindo 0,78 por cento na máxima e recuando 0,31 por cento na mínima, em meio a cautela na véspera da divulgação do crucial relatório do mercado de trabalho norte-americano de setembro, que deve ajudar na definição de apostas da próxima alta dos juros pelo Federal Reserve, o banco central dos Estados Unidos.

Em Brasília, as atenções seguem voltadas para o avanço da proposta que limita o crescimento dos gastos à inflação do ano anterior.

A comissão especial da Câmara dos Deputados iniciou a nesta tarde a sessão para votar a medida que depois seguirá para o plenário da Casa, onde precisa ser aprovada em dois turnos antes de seguir para o Senado.

Destaques

- PETROBRAS PN subiu 3,57 por cento e PETROBRAS ON avançou 4,35 por cento, em meio à alta do petróleo e após a Câmara dos Deputados aprovar texto-base do projeto que desobriga a estatal de ser a operadora exclusiva do pré-sal sob regime de partilha. Para analistas, com a mudança, a empresa terá mais flexibilidade nas decisões de investimento.

- EMBRAER ganhou 2,42 por cento. Analistas do JPMorgan começaram a cobrir os ADRs da empresa com recomendação "overweight". Também repercutiu notícia do jornal O Estado de S. Paulo de que a Argentina tem interesse em comprar 24 Super Tucanos da fabricante brasileira de aviões. Já o jornal a Folha de S.Paulo noticiou que a companhia é investigada por suspeita de pagar propina em Moçambique.

- CSN avançou 1,76 por cento. A empresa está buscando uma avaliação de 30 bilhões a 35 bilhões de dólares para a sua empresa de mineração Congonhas Minérios na negociação para a venda de uma participação minoritária no ativo, afirmou à Reuters uma fonte próxima do assunto.

- BANCO DO BRASIL subiu 3,13 por cento. O banco informou que encerrou as negociações para estabelecer uma parceria estratégica com a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (Correios) por meio da constituição de uma sociedade de participações e de instituição financeira. O acordo para a distribuição de produtos e serviços do BB na rede dos Correios, o chamado Banco Postal, tem vigência até 2 de dezembro.

- VALE PNA caiu 0,51 por cento, enquanto VALE ON recuou 0,34 por cento. O mercado está observando o desenrolar do processo para venda de ativos de fertilizantes da empresa. Duas fontes disseram à Reuters que o plano da mineradora continua encaminhado, sendo que uma das fontes afirmou ainda que os termos do acordo, que envolvem a venda de certos ativos para a norte-americana Mosaic, não devem ter alterações significativas.

- NATURA caiu 1,98 por cento, entre as maiores quedas do Ibovespa. O Goldman Sachs cortou o preço-alvo das ações da fabricante de cosméticos para 23,80 reais ante 24,10 reais anteriormente, com recomendação de venda, em amplo relatório sobre o varejo brasileiro.

- MAGNESITA, que não integra o Ibovespa, subiu 12,74 por cento. O grupo austríaco RHI fechou acordo para combinar suas atividades com a fabricante brasileira de produtos refratários por meio da compra de uma participação de pelo menos 46 por cento e não mais que 50 por cento mais uma ação da Magnesita.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 1,90

Nos três primeiros meses,
após este período: R$ 15,90

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.