Invest

Bolsas podem subir com eleições nos EUA, diz Morgan Stanley

Os americanos vão às urnas nesta terça-feira para decidir o controle de ambas as câmaras do Congresso,

Bolsas americanas: esta semana também é significativa para os mercados, pois a leitura do índice de preços ao consumidor dos EUA na quinta-feira vai mostrar se os aumentos dos juros pelo Federal Reserve têm reduzido a inflação (Getty/Getty Images)

Bolsas americanas: esta semana também é significativa para os mercados, pois a leitura do índice de preços ao consumidor dos EUA na quinta-feira vai mostrar se os aumentos dos juros pelo Federal Reserve têm reduzido a inflação (Getty/Getty Images)

B

Bloomberg

Publicado em 7 de novembro de 2022 às 10h13.

Investidores devem apostar em ganhos no mercado acionário antes das eleições de meio de mandato dos EUA nesta semana, de acordo com Michael Wilson, estrategista do Morgan Stanley que previu corretamente as perdas das bolsas neste ano.

Pesquisas apontam que os republicanos devem ganhar o controle de pelo menos uma câmara no Congresso, o que poderia ser um catalisador para rendimentos de títulos mais baixos e preços de ações mais altos, o suficiente para sustentar o rali de “bear market”, segundo nota nesta segunda-feira de Wilson, o estrategista com as previsões mais certeiras de Wall Street.

Os americanos vão às urnas nesta terça-feira para decidir o controle de ambas as câmaras do Congresso, governadores em 36 estados e inúmeras outras disputas locais e iniciativas eleitorais. Uma ampla vitória dos republicanos poderia aumentar muito a chance de os gastos fiscais serem congelados e os déficits orçamentários historicamente altos serem reduzidos. Isso teria potencial para levar a um rali dos títulos de 10 anos do Tesouro dos EUA, o que manteria o mercado acionário em alta, disse Wilson.

Esta semana também é significativa para os mercados, pois a leitura do índice de preços ao consumidor dos EUA na quinta-feira vai mostrar se os aumentos dos juros pelo Federal Reserve têm reduzido a inflação. O banco central americano elevou a taxa básica em 0,75 ponto percentual pela quarta vez seguida na semana passada. E o presidente do Fed, Jerome Powell, afirmou que os juros subirão mais do que o esperado anteriormente. Essa perspectiva pesou sobre o desempenho do índice S&P 500, que teve sua pior semana desde setembro.

Wilson e equipe esperam volatilidade de curto prazo antes dos resultados dos resultados das eleições de meio mandato, especialmente devido à ansiedade em torno da divulgação dos preços ao consumidor.

Ainda assim, a equipe tem uma posição tática altista para as ações em meio à previsão de queda ainda maior da volatilidade das taxas.

Estrategistas do JPMorgan Chase também têm um cenário otimista para a renda variável no contexto de um potencial pico dos rendimentos dos títulos, percepção e posicionamento “muito baixistas” e bons fatores sazonais, escreveram em nota nesta segunda-feira.

Para que o S&P 500 atinja as metas de ganhos do Morgan Stanley - de 4.000 a 4.150 pontos, um rali de 10% em relação ao último fechamento -, “precisamos ver os níveis das taxas de back-end começarem a cair também”, escreveu Wilson.

Os estrategistas usam a faixa entre 3.625 e 3.650 como o nível de “stop loss” para o S&P 500. Também dizem que os clientes devem considerar sair de apostas altistas se o rendimento dos Treasuries de 10 anos atingir novas máximas de 4,35%, o que reduziria consideravelmente as chances de o S&P 500 atingir 3.950 pontos.

Acompanhe tudo sobre:BloombergEleiçõesEstados Unidos (EUA)Mercado financeiroS&P 500

Mais de Invest

Conheça as vantagens do Cartão BTG Black e saiba como pedir o seu

Cenário é potencialmente o mais perigoso desde a 2ª Guerra, diz Jamie Dimon, CEO do J.P. Morgan

Bancos abrem temporada de balanços em queda nos EUA; Wells Fargo despenca 7%

Ibovespa atinge os 129 mil pontos ainda otimista sobre início de corte de juros nos EUA

Mais na Exame