Bolsas americanas: uma visão otimista e uma pessimista para 2022

Morgan Stanley e Goldman Sachs divergem sobre patamares para o S&P 500 ao fim do próximo ano, mas há um ponto de convergência entre os dois bancos de investimento
Bolsas de NY: rali próximo a 25% como o que aconteceu neste ano não faz parte das previsões de bancos de investimento para 2022 | Foto: GettyImages (MD Birdy/Getty Images)
Bolsas de NY: rali próximo a 25% como o que aconteceu neste ano não faz parte das previsões de bancos de investimento para 2022 | Foto: GettyImages (MD Birdy/Getty Images)
Por BloombergPublicado em 18/12/2021 08:15 | Última atualização em 14/12/2021 07:43Tempo de Leitura: 3 min de leitura

Por Nikos Chrysoloras

Otimistas e pessimistas de Wall Street agora concordam em um ponto: qualquer correção no mercado acionário em 2022 provavelmente será uma retração moderada, em vez de uma forte queda.

Estrategistas do Morgan Stanley liderados por Michael Wilson disseram na segunda-feira, dia 13, que agora estão mais confiantes de que o índice S&P 500 cairá cerca de 6,6% até o fim de 2022, para 4.400 pontos. Embora esteja entre as previsões mais pessimistas de Wall Street para o ano que vem rastreadas pela Bloomberg, está longe de ser um mercado baixista. O índice estava no patamar de 4.700 pontos no começo da semana.

No Goldman Sachs, estrategistas reiteraram a previsão de que as bolsas continuarão avançando em 2022, embora em umstan “ritmo mais lento”. No entanto, também disseram que um pequeno recuo é provável.

Quer saber quais os melhores investimentos em 2022? Conheça as recomendações do BTG Pactual

“Embora esses níveis não nos digam que um mercado baixista é iminente, implicam em maiores riscos de uma correção e mais vulnerabilidade a decepções (relacionadas ao crescimento ou taxa de juros)”, escreveram estrategistas liderados por Peter Oppenheimer em nota. Os níveis atuais do índice, disseram, indicam retornos baixos de um dígito ao longo de 12 meses, com uma queda máxima entre 5% e 10%.

O mercado acionário tem mostrado resiliência aos riscos apresentados pela retirada do estímulo e pela variante ômicron: o S&P 500 subiu para nível recorde na última sexta-feira, dia 10. Com os rendimentos dos títulos ainda baixos, investidores continuam a ver as ações como o principal veículo de retorno.

Mas, após o rali deste ano (o S&P acumula alta próxima a 25%), as expectativas de ganhos em 2022 são moderadas. Pesquisa do Deutsche Bank mostrou que gestores de fundos projetam alta de apenas 4,2%, em média, para o mercado acionário dos EUA em 2022.

Gráfico com as projeções de Goldman Sachs e Morgan Stanley para o S&P 500 em 2022

As projeções de Goldman Sachs e Morgan Stanley para o S&P 500 em 2022 | Fonte: Bloomberg (Arte/Bloomberg)

Agora que o risco da ômicron para o crescimento econômico diminuiu, estrategistas do Morgan Stanley apontam para a provável redução “muito mais rápida” do estímulo do Federal Reserve, em comparação com 2014, como um dos principais riscos para as ações.

Goldman e Morgan Stanley concordam que a seleção de ações se tornará mais importante em 2022, com a desaceleração da retomada pós-pandemia que quase indiscriminadamente impulsionou as bolsas.

“A seleção de ações será difícil, mas uma condição necessária para gerar retornos significativos em 2022, já que o mercado separa vencedores e perdedores e o índice basicamente não irá a lugar nenhum nos próximos 12 meses”, disse o Morgan Stanley em nota aos clientes.

O Goldman Sachs recomenda uma abordagem mais “eclética” em 2022, com foco na “melhoria do valor juntamente com empresas rentáveis e de crescimento geradoras de caixa”.