Mercados

Bitcoin cai bruscamente após reportagem de jornal na China

A notícia segue a decisão da China no início desta semana de proibir as chamadas "ofertas iniciais de moedas"

BITCOIN: a Oferta Inicial de Moedas está impulsionando startups em ritmo impressionante  /  (Benoit Tessier/Reuters)

BITCOIN: a Oferta Inicial de Moedas está impulsionando startups em ritmo impressionante / (Benoit Tessier/Reuters)

R

Reuters

Publicado em 8 de setembro de 2017 às 15h51.

Nova York - A moeda bitcoin caiu bruscamente nesta sexta-feira após uma publicação chinesa dizer que o país está planejando fechar bolsas locais de criptomoedas, embora analistas tenham dito que isso é apenas um revés temporário.

Fontes próximas a um comitê de regulamentação que supervisiona as atividades financeiras online contou à publicação financeira chinesa Caixin que as autoridades planejam fechar as principais bolsas de bitcoins na China.

A Reuters não conseguiu verificar imediatamente a reportagem.

A notícia segue a decisão da China no início desta semana de proibir as chamadas "ofertas iniciais de moedas", ou a prática de criar e vender moedas ou tokens digitais para os investidores, a fim de financiar projetos de start-ups.

Greg Dwyer, gerente de desenvolvimento de negócios da plataforma de negociação de criptomoedas BitMEX, disse que havia confusão sobre se a China fecharia ou não as bolsas de bitcoin após a proibição das ICO's.

"Se isso for verdade, então a venda generalizada está fundamentada e podemos ver ainda mais queda ao longo do fim de semana, uma vez que isso pode significar que grandes bolsas de bitcoin/iuan chinesas vão ter que parar de negociar", ele acrescentou.

A bitcoin caiu para uma mínima de 4.227 dólares na plataforma BitStamp, depois de ter tocado a máxima de quase 5 mil dólares em 2 de setembro.

Acompanhe tudo sobre:BitcoinChina

Mais de Mercados

Realização de lucros? Buffett vende R$ 8 bilhões em ações do Bank of America

Goldman Sachs vê cenário favorável para emergentes, mas deixa Brasil de fora de recomendações

Empresa responsável por pane global de tecnologia perde R$ 65 bi e CEO pede "profundas desculpas"

Bolsa brasileira comunica que não foi afetada por apagão global de tecnologia

Mais na Exame