BC mais duro, estreia do Nubank, Magalu e o que move o mercado

BC sinalizou que, no cenário base, Selic vai a 11,75% a.a. em 2022 e que os riscos de desancoragem das expectativas para prazos mais longos aumentaram
Wall Street, em Nova York: centro financeiro global recebe e acompanha hoje a estreia do Nubank na Bolsa de Nova York | Foto: Matteo Colombo/GettyImages (Matteo Colombo/Getty Images)
Wall Street, em Nova York: centro financeiro global recebe e acompanha hoje a estreia do Nubank na Bolsa de Nova York | Foto: Matteo Colombo/GettyImages (Matteo Colombo/Getty Images)
Por Da RedaçãoPublicado em 09/12/2021 07:12 | Última atualização em 09/12/2021 07:33Tempo de Leitura: 4 min de leitura

Investidores devem reagir nesta quinta-feira, dia 9, ao tom considerado mais duro -- ou hawkish, no jargão de política monetária -- do Copom em seu comunicado pós-reunião de ontem, que elevou a taxa básica de juros de 7,75% para 9,25% ao ano. Tem também a aguardada estreia do Nubank na Bolsa de Nova York, o day after da queda de 10,63% do Magazine Luiza (MGLU3) na bolsa em razão possivelmente do aumento da concorrência e muito mais.

No exterior, os futuros de índices de ações em Nova York operam em leve queda, enquanto os índices europeus estão próximos da estabilidade. No radar dos investidores, novas medidas de combate à pandemia anunciadas no Reino Unido pelo primeiro-ministro Boris Johnson, como a recomendação para que as pessoas trabalhem de suas casas a partir da próxima segunda-feira, dia 13 e que usem máscaras faciais em locais fechados a partir de amanhã.

Dados positivos de atividade na Alemanha, com as exportações crescendo em outubro no maior ritmo em mais de um ano, pesam favoravelmente para o sentimento de investidores nesta manhã de quinta-feira.

Veja abaixo o desempenho dos principais índices acionários às 7h:

  • STOXX 600 (Europa): +0,24%
  • FTSE 100 (Londres): +0,01%
  • DAX (Frankfurt): +0,03%
  • CAC 40 (Paris): +0,27%
  • Futuro do S&P: -0,18%
  • Futuro do Dow Jones: -0,19%
  • Futuro da Nasdaq: -0,18%
  • Nikkei (Tóquio): -0,47%

Veja abaixo os principais eventos que devem movimentar os mercados:

BC mais duro

"O comitê adicionou que 'irá perseverar na sua estratégia' até a consolidação do (i) processo desinflacionário e (ii) a ancoragem das expectativas em torno das metas. A mensagem foi evidentemente hawkish", escreveu Claudio Ferraz, head da equipe de economistas do BTG Pactual acerca do comunicado do Copom.

Disse o BC no comunicado: "O Copom considera que, diante do aumento de suas projeções e do risco de desancoragem das expectativas para prazos mais longos, é apropriado que o ciclo de aperto monetário avance significativamente em território contracionista. O Comitê irá perseverar em sua estratégia até que se consolide não apenas o processo de desinflação como também a ancoragem das expectativas em torno de suas metas."

O Copom apontou que, em um cenário base em que a taxa Selic vai a 11,75% ao ano (a.a.) ao fim do ciclo corrente de aperto de política monetária e termina 2022 em 11,25% a.a., a inflação termina acima da meta em 2022 e dentro da meta em 2023.

Estreia do Nubank

O maior banco da América Latina estreia nesta quinta-feira na Bolsa de Nova York, após concluir a sua oferta pública inicial (IPO) com a ação no topo da faixa indicativa, que se estendia de 8 a 9 dólares. A cerimônia de estreia com os fundadores David Vélez, Cristina Junqueira e Edward Wible será às 11h de Brasília, com o início de negociações às 11h30.

Com um valor de mercado aproximado de 41,5 bilhões de dólares, o Nubank protagonizou um dos maiores IPOs do mundo neste ano. Com investidores como Warren Buffett na sua base de acionistas relevantes, o banco estará no centro das atenções nesta quinta sendo um dos mais notáveis representantes da tese de disrupção de fintechs no ramo financeiro.

Queda do Magazine Luiza

As ações da empresa de e-commerce foram um destaque negativo ontem, com queda de 10,63%, atribuída por muitos analistas aos efeitos do aumento da concorrência, em especial de sites asiáticos como Shopee e AliExpress.

EXAME IN: Varejo tem pregão de ressaca com dados macro e competição asiática

Informações divulgadas pela Sequoia Logística em seu Investor Day apontam para esse crescimento de players asiáticos, algo que já está no radar de investidores há alguns meses. As vendas para a Black Friday de novos clientes da companhia de logística cresceram cerca de 45% no ano a ano, com a alta puxada por empresas asiáticas.

No ano, a queda de MGLU3, que tem sido alvo de operações de short (venda) no mercado em razão de expectativas revisadas quanto ao seu crescimento, chega a 72,7%.