Invest

Lucro do Banco do Brasil salta 62,6% no 3º tri, para R$ 8,36 bi, e supera projeções

Estatal mantém rentabilidade em nível de pares privados, com ROE de 21,8%

Banco do Brasil (BBAS3): resultado do 3º trimestre vem acima do esperado por analistas (Luiz Souza/NurPhoto/Getty Images)

Banco do Brasil (BBAS3): resultado do 3º trimestre vem acima do esperado por analistas (Luiz Souza/NurPhoto/Getty Images)

BQ

Beatriz Quesada

Publicado em 9 de novembro de 2022 às 19h36.

Última atualização em 25 de novembro de 2022 às 09h13.

O Banco do Brasil (BBAS3) teve lucro líquido ajustado de R$ 8,36 bilhões, ganho de 62,6% na comparação anual. O resultado divulgado nesta quarta-feira, 9, ficou acima das expectativas de analistas, que esperavam um ganho de R$ 7,16 bilhões no período, segundo o consenso Bloomberg.

O retorno sobre patrimônio líquido (ROE) do terceiro trimestre foi de 21,8%, o que coloca o Banco do Brasil, mais uma vez, no patamar de rentabilidade dos pares privados. O resultado, inclusive, superou o reportado pelo Bradesco, que veio muito abaixo do esperado por analistas.

"Quando assumi a presidência do Banco do Brasil, nossa rentabilidade trimestral era inferior a 15% e muito nos orgulha entregar um retorno sobre patrimônio líquido de 21,8%, o que consolida um novo patamar de rentabilidade", afirmou, em nota, Fausto Ribeiro, presidente do BB. No segundo trimestre, o banco registrou um ROE de 20% pela primeira vez em quase uma década.

Segundo o banco, os bons números são resultado do bom desempenho da margem financeira bruta e da diversificação nas receitas com serviços, além do controle das despesas.

O banco teve um crescimento de 25% na margem financeira bruta, que mede os ganhos com operações de crédito e com a tesouraria. O indicador alcançou R$ 19,558 bilhões, impulsionado em parte pela receita com operações de crédito, que aumentou 50,6% nos últimos 12 meses. Os resultados da tesouraria também ajudaram com crescimento de 95,1%, na comparação anual. 

As receitas de prestação de serviços somaram R$ 8,5 bilhões no trimestre, um aumento de 14,6% na comparação anual, influenciadas, segundo o banco, pelo desempenho das receitas de seguros, previdência e capitalização (+20,6%) e de consórcios (+50,6%).

Carteira de Crédito e inadimplência

A carteira de crédito ampliada totalizou R$ 969,2 bilhões em setembro de 2022, um aumento de 19,0% na comparação com setembro de 2021 e de 5,4% em relação a junho de 2022.

O maior destaque ficou, mais uma vez, com a carteira de agronegócio, que subiu 26,7% na comparação anual. A carteira pessoa física ampliada cresceu 10,9% nos últimos 12 meses, enquanto a ampliada PJ avançou 20,2% frente ao mesmo período do ano anterior. Já a carteira de negócios sustentáveis cresceu 13,9% em 12 meses.

Apesar do crescimento da carteira de crédito, a inadimplência ficou próxima da estabilidade, passando de 2% em junho deste ano para 2,3% em setembro.

Leia também: Bradesco sofre queda histórica e perde R$ 30,7 bi em valor de mercado

Acompanhe tudo sobre:AçõesBalançosBB – Banco do Brasil

Mais de Invest

Bolsa americana bate novo recorde após ataque a Trump

Quanto rende R$ 1 milhão a 100% do CDI por dia?

Ibovespa abre em queda com investidores repercutindo atentado contra Trump

Suspensão de dividendos e troca de CEO: ações da Burberry despencam mais de 15%

Mais na Exame