Acompanhe:

Balanço dos bancões nos EUA, vendas do varejo americano, B3, Camil e o que mais move o mercado

Índices de Wall Street operam próximos da estabilidade no mercado de futuros, após encerrarem sequência de quedas

JP Morgan: Banco americano divulga balanço nesta sexta (Mike Segar/Reuters)

JP Morgan: Banco americano divulga balanço nesta sexta (Mike Segar/Reuters)

Guilherme Guilherme
Guilherme Guilherme

14 de outubro de 2022, 07h40

Os principais índices de ações dos Estados Unidos operam sem uma direção definida no mercado de futuros desta manhã de sexta-feira, 14, após bolsas do país terem quebrado a sequência de seis quedas consecutivas no último pregão.

O Índice de Preço ao Consumidor (CPI, na sigla em inglês), divulgado ontem, saiu o dobro do esperado, com alta mensal de 0,4% - o que alimentou apostas de juros mais altos, principalmente, para a última reunião do Federal Reserve (Fed) no ano, em dezembro. Investidores passaram a ver mais uma alta de 0,75 ponto percentual como o cenário mais provável, com a probabilidade de o juro americano terminar 2022 entre 4,5% e 4,75% indo acima de 50%.

Mas mesmo com dados da inflação americana acima das projeções para o mês de setembro, o S&P, Dow Jones e o índice Nasdaq subiram mais de 2% na véspera, após reação inicialmente negativa ao CPI.

A alta, que desafia os manuais mais ortodoxos do mercado, teria sido motivada por movimentos técnicos, segundo a Bloomberg, com ordens de compra pré-programadas para quando os principais indicadores atingissem as mínimas. Ainda antes da forte recuperação, o S&P chegou a ir abaixo de 3.500 pontos pela primeira vez desde novembro de 2020.

Embora os robôs possam ter salvado o dia anterior, balanços do terceiro trimestre e dados da economia americana podem voltar a "testar" os suportes das bolsas americanas nesta sexta.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia.

Desempenho dos indicadores às 7h20 (de Brasília):

  • Dow Jones futuro (Nova York): + 0,10%
  • S&P 500 futuro (Nova York): + 0,02%
  • Nasdaq futuro (Nova York): - 0,15%
  • DAX (Frankfurt): + 0,96%
  • CAC 40 (Paris): + 1,41%
  • FTSE 100 (Londres): + 1,10%
  • Stoxx 600 (Europa): + 1,17%
  • Hang Seng (Hong Kong): + 1,21%

Bancões divulgam balanços nos EUA

Neste pregão, investidores devem reagir aos resultados dos principais bancos dos Estados Unidos, entre eles J.P. Morgan, Wells Fargo, Morgan Stanley e Citi. Os balanços desta sexta também devem servir para balizar as projeções de analistas para os resultados dos bancos brasileiros.

Vendas do Varejo

No radar dos investidores também estarão os dados de vendas do varejo americano referentes a setembro. O consenso de economistas é de que as vendas brutas tenham aumentado 0,2% no mês, mas com queda de 0,1% no núcleo das vendas. A tendência é de que números fortes do varejo alimentem as preocupações sobre o nível da inflação do país e, consequentemente, sobre as políticas do Fed.

Resultado da Camil

No Brasil, onde a agenda de balanços deve esquentar só no fim do mês, a Camil (CAML3) já apresentou seu resultado. Em seu segundo trimestre fiscal (findo em agosto), o lucro líquido da Camil caiu 11,8% para 190,7 milhões. A receita líquida, por outro lado, avançou 21,5% para R$ 2,70 bilhões.

B3 compra Datastock

A B3 (B3SA3) anunciou na última noite a compra da Datastock, de gestão de estoque para lojas de veículos usados e novos, por até R$ 80 milhões. Do montante total, R$ 50 será pago à vista e o restante será atrelado ao atingimento de metas em até 5 anos.