Apple (AAPL34) comunica aos seus funcionários a volta do trabalho presencial

O comunicado enviado pelo CEO, Tim Cook, impõe que os funcionários da produtora de iPhone voltem ao escritório pelo menos três dias por semana
Apple (AAPL34) (Bloomberg / Colaborador/Getty Images)
Apple (AAPL34) (Bloomberg / Colaborador/Getty Images)
Roberto Bodetti
Roberto Bodetti

Publicado em 16/08/2022 às 13:31.

Última atualização em 16/08/2022 às 14:31.

A Apple (AAPL34) comunicou nesta terça-feira, 16, que seus funcionários deverão voltar a trabalhar presencialmente pelo menos três vezes na semana a partir de setembro.

A decisão da Apple vai afetar os funcionários que trabalham no condado de Santa Clara nos Estados Unidos, onde fica a sede principal da companhia.

Os funcionários do gigante da tecnologia terão de comparecer às terças, quintas e em um terceiro dia que será decidido em cada semana, podendo variar.

Desde o meio do ano, a Apple já tem recebido seus colaboradores pelo menos duas vezes na semana de forma presencial.

O avanço para três dias diretamente no escritório mostra que a companhia ainda preza pelo modelo de trabalho onde seus funcionários estão interagindo diretamente uns com os outros, que ajuda no desenvolvimento nos aparelhos que a companhia produz.

Além da Apple (AAPL34), outras empresas voltam ao presencial

A Apple não é a única empresa que está voltando com o modelo de trabalho presencial com mais frequência.

Outras grandes empresas de tecnologia como a Tesla (TSLA34) e a Microsoft (MSFT34) também estão solicitando a presença de seus funcionários no escritório.

No começo da pandemia do coronavírus em 2020, a empresa fundada por Bill Gates disponibilizou o modelo de home office como permanente para seus colaboradores.

Porém, desde 28 fevereiro deste ano a Microsoft atingiu a última das etapas de seu plano de retorno aos escritórios, que consiste em abrir por completo os espaços e não impor restrições.

Na Tesla, montadora de carros elétricos do magnata Elon Musk, houve certa polêmica sobre a volta aos escritórios.

Em maio, Musk enviou um e-mail à equipe executiva da fábrica afirmando que o formato remoto não é mais aceitável, e que aqueles que ainda desejam trabalhar na empresa deverão comparecer ao escritórios da Tesla no mínimo 40 horas semanais.

O comentário sarcástico do CEO da Tesla gerou controvérsia e colocou em debate se o trabalho remoto deve ou não permanecer, agora que as políticas de flexibilização cresceram e grande parte da população já está vacinada.

VEJA MAIS: