Mercados

Analista faz “mea culpa” raro após derrocada do Zynga

Mercado se diz traído após resultado trimestral muito fraco

Criadora de jogos como o FarmVille desapontou os investidores  (Justin Sullivan/Getty Images)

Criadora de jogos como o FarmVille desapontou os investidores (Justin Sullivan/Getty Images)

DR

Da Redação

Publicado em 26 de julho de 2012 às 15h15.

São Paulo – Não é comum um analista de investimentos fazer uma “mea culpa” sobre uma projeção desastrada. Ainda assim, foi isso que aconteceu nesta quinta-feira com o analista Richard Greenfield, da BTIG LLC. Ele, assim como outros que acompanhavam o desempenho da desenvolvedora de jogos Zynga, parecia estar muito otimista com as projeções para a empresa. 

Greenfield publicou uma nota intitulada “Sentimos muito e estamos embaraçados pelo nosso erro” para explicar as suas estimativas e a mudança na recomendação de compra para venda após a publicação dos resultados do segundo trimestre na quarta-feira depois do fechamento dos mercados. As ações (ZNGA) despencam 40% na Nasdaq hoje como resultado dos números abaixo do esperado pelos investidores.

Os ativos foram vendidas no IPO (Oferta Inicial de Ações, na sigla em inglês) a 10 dólares em dezembro de 2011. A empresa captou 1 bilhão de dólares, na sexta maior operação do tipo no setor de internet no mundo. Nesta quinta-feira, os papéis chegaram a ser negociados a 2,97 dólares, uma desvalorização de aproximadamente 70% em relação ao preço da oferta inicial.

“Acreditávamos piamente que uma pequena fração dos usuários do Zynga que pagam estava aumentando e que a monetização por usuário estava crescendo”, disse Greenfield em uma nota. “Os usuários pagantes do Facebook estão claramente gastando menos por conta do mix de jogos disponíveis”, acrescentou.

No último trimestre, o Zynga apresentou uma perda de 22,8 milhões de dólares, ou 3 centavos de dólar por ação, comparado com um lucro de 1,4 milhão de dólares um ano antes. As receitas aumentaram em 19%, para 332,5 milhões de dólares. Analistas consultados pela Thomson Reuters aguardavam um lucro de 5 centavos por ação. A receita era esperada em 342,8 milhões de dólares.

O analista do BTIG, contudo, não estava sozinho. Enquanto Greenfield projetava um preço-alvo de 13 dólares, casas como Wedbush esperavam até 17 dólares por papel. O Goldman Sachs, por exemplo, também recomendava a compra e também um preço-alvo de 13 dólares.

Facebook

O resultado pode ser uma dica para quem aguarda o primeiro resultado do Facebook desde a polêmica oferta inicial de ações. A reação dos papéis da empresa hoje pode indicar que os investidores já ficaram com a pulga atrás da orelha. As ações (FB) da empresa de Mark Zuckerberg despencam 7,5%.Os resultados do segundo trimestre serão apresentados nesta quinta-feira, após o fechamento do mercado.

Aproximadamente 18% das receitas do Facebook são originadas pelo Zynga. Analistas explicam que parte dos jogadores pode estar migrando para jogos instalados no próprio celular, deixando de lado os ligados à rede social.

Acompanhe tudo sobre:Análises fundamentalistasB3bolsas-de-valoresBrinquedosEmpresasEmpresas americanasEmpresas de internetempresas-de-tecnologiaFacebookInternetMercado financeiroRedes sociaisZynga

Mais de Mercados

Ibovespa fecha em queda e encerra maior sequência de alta desde 2018

Galípolo, vendas do varejo nos EUA e Eneva (ENEV3): o que move o mercado

Atentado eleva patrimônio de Trump em R$ 6,5 bilhões

Cade abre procedimento para apurar acordo de codeshare da Azul e Gol

Mais na Exame