Ambev: BTG prevê menor demanda por cerveja e não recomenda compra da ação

Expectativas sobre pressão de margens e alta das taxas de juro mantêm analistas cautelosos sobre a tese
Entrega de cervejas da Ambev no Brasil deve cair 1,9% no ano, estimam analistas (Jonne Roriz/Bloomberg via/Getty Images)
Entrega de cervejas da Ambev no Brasil deve cair 1,9% no ano, estimam analistas (Jonne Roriz/Bloomberg via/Getty Images)
Por Guilherme GuilhermePublicado em 24/05/2022 17:23 | Última atualização em 24/05/2022 18:12Tempo de Leitura: 2 min de leitura

Analistas do BTG Pactual seguem sem recomendar a compra das ações da Ambev (ABEV3), apesar do resultado acima do esperado apresentado pela companhia na temporada de balanços do primeiro trimestre. Expectativas de que a companhia sofra pressões de margens significativas nos próximos meses mantiveram a recomendação neutra para os papéis, segundo relatório divulgado nesta terça-feira 24.

"As mudanças dos canais de consumo de cerveja e das embalagens no Brasil podem prejudicar a capacidade da Ambev sustentar o valor da marca, traduzindo-se em alguma erosão do poder de precificação [da empresa]", afirmaram os analistas Thiago Duarte e Henrique Brustolin em relatório divulgado nesta terça-feira, 24.

Os analistas esperam que o volume de cerveja entregue pela companhia no Brasil caia 1,9% ainda neste ano. Inflação de alimentos e a menor renda disponível levarão à menor demanda por cerveja, segundo eles, "e mais do que compensarão o que até agora tem sido um ganho de participação de mercado muito impressionante da Ambev".

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia.

A expectativa de lucro líquido da empresa para 2023 foi revisada para baixo, de R$ 12,752 bilhões para R$ 11,902 bilhões.

O relatório ainda apontou que as ações do setor em que o gigante de cervejas está inserido carrega forte correlação histórica com o aumento das taxas de juro, o que adiciona cautela à tese de investimento.

"À medida que o combate à inflação volta a ser uma prioridade global, acreditamos que taxas mais altas podem se traduzir em múltiplos mais baixos, afetando também a Ambev. Acreditamos que esse processo já tenha começado, com as cervejarias globais negociando agora 8% abaixo da média de cinco anos."