Invest

Ações dos EUA enfrentarão recessão de lucros até o final de 2022

O aviso sobre margens da Target ontem é emblemático dos problemas enfrentados pelas empresas em um regime inflacionário

Os lucros das grandes corporações americanas têm sido resilientes neste ano, mas também aqui há sinais preocupantes que parecem destinados a piora (BRYAN R. SMITH/AFP via/Getty Images)

Os lucros das grandes corporações americanas têm sido resilientes neste ano, mas também aqui há sinais preocupantes que parecem destinados a piora (BRYAN R. SMITH/AFP via/Getty Images)

B

Bloomberg

Publicado em 8 de junho de 2022 às 12h49.

Última atualização em 8 de junho de 2022 às 13h49.

Há sinais generalizados e cada vez mais pronunciados de que as ações dos Estados Unidos entrarão em uma recessão de lucros antes do final deste ano. O aviso sobre margens da Target ontem é emblemático dos problemas enfrentados pelas empresas em um regime inflacionário. Mesmo que uma recessão na economia como um todo seja evitada, o cenário para as ações deve piorar antes de melhorar.

Inevitavelmente — dada a mensagem inequívoca dos principais indicadores no início deste ano — a ênfase no mercado mudou da inflação para o crescimento. Taxas de juro mais altas e liquidez mais apertada têm um efeito mais imediato sobre o crescimento e, embora a inflação ainda não tenha atingido o pico de forma conclusiva, o crescimento começa a mostrar as rachaduras que você esperaria diante de um Fed em pé de guerra contra os preços.

Os lucros das grandes corporações americanas têm sido resilientes neste ano, mas também aqui há sinais preocupantes que parecem destinados a piorar. Um deles é o sentimento.

O índice de confiança dos CEOs do Conference Board caiu acentuadamente neste ano. Isso normalmente leva a um crescimento mais fraco do lucro nos três a seis meses seguintes. Além disso, os analistas revisam para baixo suas estimativas, algo que geralmente precede um crescimento mais fraco dos lucros.

O dólar mais forte também espreme os lucros. O efeito mais imediato deriva dos cerca de 40% das receitas do S&P 500 que vêm do exterior. Mas todas as receitas são impactadas pela influência depressiva de um dólar mais alto no comércio global.

A Coreia do Sul, uma economia relativamente pequena e aberta com um grande setor de exportação, é um indicador importante das condições do comércio global. Um declínio constante no crescimento de suas exportações é uma forte indicação de que o crescimento dos lucros nos EUA enfrenta mais risco de queda.

A perspectiva mais fraca para o setor industrial é outro mau sinal. As manufaturas podem representar apenas cerca de 11% do PIB dos EUA, mas respondem por quase um terço das receitas corporativas e, portanto, têm um impacto desproporcional. A queda nos novos pedidos das fábricas ganha ritmo, mais um mau presságio para os lucros.

O maior custo corporativo é a mão de obra, e o aperto do mercado de trabalho é o maior obstáculo para os lucros dos EUA. O baixo desemprego leva a salários mais altos, o que acaba corroendo as margens. As margens serão cada vez mais espremidas pelo aumento dos salários nos próximos anos, com esse efeito multiplicado se a inflação desencadear uma espiral de preços e salários.

  • NOTA: Simon White é um estrategista macro do blog Markets Live da Bloomberg. As observações que ele faz são suas e não pretendem ser um conselho de investimento. Para obter mais comentários sobre os mercados, consulte o blog MLIV
Acompanhe tudo sobre:AçõesEstados Unidos (EUA)JurosMercado financeiro

Mais de Invest

Mega-Sena sorteia prêmio de R$ 15 milhões neste sábado; veja como apostar

Renda passiva: veja como fazer o dinheiro trabalhar por você

Casal que ganhou R$ 324 milhões em loteria americana perde fortuna com investimentos mal-sucedidos

INSS volta a exigir perícia médica para prorrogar 'auxílio-doença'; entenda

Mais na Exame