Ações da Tesla caem após notícia de demissão em massa

Pessimismo de Elon Musk sobre condições econômicas estaria por trás da saída de 10% dos funcionários da empresa, segundo a Reuters
Elon Musk, CEO da Tesla (Andrew Harrer/Bloomberg)
Elon Musk, CEO da Tesla (Andrew Harrer/Bloomberg)
D
Da Redação

Publicado em 03/06/2022 às 10:12.

Última atualização em 03/06/2022 às 10:15.

As ações da Tesla caem mais de 4% no pré-mercado americano desta sexta-feira, 3, com investidores repercutindo a notícia da Reuters de que a empresa precisa demitir 10% de seus cerca de 100.000 funcionários.

O comunicado, segundo a agência, teria sido feito pelo próprio Elon Musk, CEO da companhia, em e-mail enviado a executivos na véspera.

Na mensagem obtida pela Reuters, Musk disse estar altamente pessimista ("super bad feeling", em inglês)  sobre a economia e ordenou a suspensão de todos os processos de contratação.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia.

Empregados da Tesla ainda teriam sido pressionados por Musk nesta semana para que retornassem ao trabalho presencial. "Se você não aparecer, vamos supor que você renunciou", afirmou o CEO em e-mail, ainda de acordo com a Reuters.

Preocupações sobre o cenário econômico também têm tirado o sono do mercado financeiro. Juros cada vez mais altos nos Estados Unidos e a inflação em patamares históricos têm aumentado o pessimismo de investidores quanto à capacidade das empresas continuarem crescendo no ritmo de anos anteriores.

As ações da Tesla acumulam mais de 35% de queda na bolsa. O índice Nasdaq, da bolsa em que a companhia é listada, caiu pouco mais de 20% no mesmo período.

Veja também:
Netflix (NFLX34) demite funcionários após balanço trimestral negativo
Trabalhador demitido após crise de ansiedade vai receber US$ 450 mil