Mercados

Ação da Wilson Sons ganha com foco em infraestrutura, diz Votorantim

Corretora inicia cobertura dos papéis com recomendação de compra; preço-alvo é de 35,30 até abril de 2012

Investimentos da Petrobras no pré-sal também devem beneficiar a companhia (Divulgação)

Investimentos da Petrobras no pré-sal também devem beneficiar a companhia (Divulgação)

DR

Da Redação

Publicado em 11 de julho de 2012 às 18h13.

São Paulo – A expectativa de que a Wilson Sons (WSON11) será beneficiada pelos investimentos em infraestrutura no Brasil fez a Votorantim Corretora atribuir nesta segunda-feira (18) um preço-alvo de 35,30 reais para as units da companhia até abril de 2012, o que implica em um potencial de valorização de 34,1% frente a cotação atual. A recomendação é de compra.

Em relatório, os analistas Eduardo Puzziello e Priscila Kurata iniciam a cobertura das units da companhia - considerada uma das maiores operadoras integradas de serviços marítimos, portuários e de logística - destacando que os portos e setores relacionados “são boas opções de investimento” diante do desenvolvimento que está sendo proposto para a infraestrutura do Brasil.

“Acreditamos que a Wilson Sons será beneficiada pela expansão do mercado de contêineres”, afirmam. Segundo eles, a empresa ainda contará com ganhos diante de novos portos e terminais de logística, além dos serviços oferecidos para a indústria de petróleo e gás. Neste ponto, destacam-se os aportes que serão feitos pela estatal brasileira Petrobras para explorar a camada do pré-sal nos próximos anos.

A Votorantim Corretora projeta um aumento no lucro por cada unit de 6% entre 2010 e 2014, baseado no significante ganho anual que a empresa contará nos próximos anos, tanto em volume como nos preços em todos os segmentos em que a companhia opera. A perspectiva dos analistas é de que a margem Ebitda salte de 21,1% em 2010 para 26,7% em 2014.

Acompanhe tudo sobre:Análises fundamentalistasMercado financeiroSetor de transporteWilson Sons

Mais de Mercados

Goldman Sachs vê cenário favorável para emergentes, mas deixa Brasil de fora de recomendações

Empresa responsável por pane global de tecnologia perde R$ 65 bi e CEO pede "profundas desculpas"

Bolsa brasileira comunica que não foi afetada por apagão global de tecnologia

Ibovespa fecha perto da estabilidade após corte de gastos e apagão global

Mais na Exame