• BVSP 117.669,90 -0,5%
  • USD 5,6926 +0,0118
  • EUR 6,7616 +0,0000
  • ABEV3 15,43 -0,13%
  • BBAS3 29,27 +0,55%
  • BBDC4 25,25 +0,04%
  • BRFS3 23,91 -1,97%
  • BRKM3 43,57 -0,98%
  • BRML3 9,95 +1,95%
  • BTOW3 62,7 -0,85%
  • CSAN3 89,25 -0,45%
  • ELET3 35,45 -1,50%
  • EMBR3 16,02 -0,37%
  • Petróleo 59,31 +0,00%
  • Ouro 1.746,80 +0,00%
  • Prata 25,55 +0,00%
  • Platina 1.208,00 +0,00%

Ação da Coca-Cola dispara 5% após lucro robusto e impulsiona Dow Jones

Bolsas dos EUA eram impulsionadas por melhoras nas previsões das blue chips

As bolsas de valores dos EUA sobem nesta terça-feira (23), impulsionadas por resultados acima do que o esperado de empresas e melhoras nas previsões das 'blue chips', incluíndo a Coca-Cola e a United Technologies. Isso acalmou as preocupações com o ritmo de crescimento econômico.

Nas últimas 24 horas, os investidores reagiram positivamente a uma série de resultados do segundo trimestre, embora muitas vezes contra as expectativas de lucros, que foram reduzidos devido às preocupações deste ano sobre o crescimento.

"Os analistas notoriamente subestimam o desempenho dessas empresas, e parte disso é que as empresas intencionalmente baixam as expectativas para que possam superar as estimativas das analistas", disse à Reuters Randy Frederick, vice-presidente de negociação e derivativos da Charles Schwab, em Austin, Texas.

Coca-Cola avança quase 5%

As ações da Coca-Cola Co subiam 4,9%, o maior ganho entre as ações cotadas no índice Dow Jones, após a fabricante de bebidas gaseificadas ter superado as expectativas de lucros trimestrais e ter aumentado a sua previsão de receita orgânica para o ano todo.

Os seus ganhos impulsionaram o setor de bens de consumo para um ganho de 0,9%, o melhor desempenho entre os principais setores do S&P.

O conglomerado industrial United Technologies Corp ganhava 1,6%, após elevar as suas perspectivas de lucro e vendas para o ano todo.

Situação fiscal dos EUA

O presidente Donald Trump e os líderes do Congresso dos EUA chegaram a um acordo na segunda-feira sobre uma prorrogação de dois anos do limite da dívida e dos limites de gastos federais que evitariam um 'default' do governo no final deste ano, mas aumentariam os crescentes 'déficits' orçamentais.

"Eu acho que é uma coisa muito positiva que eles tenham chegado a um acordo orçamental. Isso aumenta as preocupações de um tecto da dívida e do orçamento além da próxima eleição presidencial, o que é uma coisa a menos com que o mercado tem de se preocupar", disse Frederick.

O Nasdaq segue a ganhar 0,16%, o S&P 500 soma 0,30% e o Dow Jones Industrial Average avança 0,36%.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.