Invest

Abertura de mercado: como fica o setor aéreo se a Azul comprar a Latam?

Prazo para alcançar um plano de reestruturação se esgota nesta sexta, abrindo espaço para uma oferta pública

Azul é conhecida por ser um player interessado na Latam Foto: Germano Lüders/EXAME (Germano Lüders/Exame)

Azul é conhecida por ser um player interessado na Latam Foto: Germano Lüders/EXAME (Germano Lüders/Exame)

DR

Da Redação

Publicado em 26 de novembro de 2021 às 09h54.

O prazo para que a chilena Latam Airlines chegue a um plano de reestruturação de dívida com seus credores se esgota nesta sexta-feira, 26, deixando a porta aberta para que a companhia aérea brasileira Azul (AZUL4) transforme seu interesse pela concorrente em uma oferta pública.

A avaliação é dos analistas do BTG Pactual (do mesmo grupo controlador da EXAME). Em relatório, os analistas destacam que os credores podem votar planos de reestruturação de terceiros após o final do prazo. “A Azul é conhecida por ser um player interessado e esperamos que a proposta da empresa se torne pública em breve, portanto deixando a decisão nas mãos dos credores”, afirmam.

O relatório destaca que ainda que existe pouca visibilidade sobre seus impactos financeiros que a Azul pode ter na operação, o que colocaria a concorrente Gol (GOLL4) como uma beneficiária indireta. 

“Saindo um player concorrente do mercado, se fortalecem os que sobram, no caso a Azul e a Gol. A questão é que a Azul teria o impacto financeiro da compra, ainda mais considerando que as empresas aéreas sofreram bastante recentemente com a queda de demanda e a alta do dólar”, avalia Luiz Temporini, do BTG Pactual digital, no programa Abertura do Mercado desta sexta-feira, 26.

Assista ao programa completo aqui:

yt thumbnail
Acompanhe tudo sobre:AçõesAzulGol Linhas AéreasLatam

Mais de Invest

Ações da Tesla caem no aftermarket após queda de 45% no lucro do 2º tri

Receita libera consulta ao 3º lote de restituição do IR 2024; veja como consultar

Como se tornar um trader? O que ele faz?

Por que a poupança pode não ser a melhor opção para seu dinheiro

Mais na Exame