• BVSP 117.669,90 -0,5%
  • USD 5,6926 +0,0000
  • EUR 6,7616 +0,0000
  • ABEV3 15,43 -0,13%
  • BBAS3 29,27 +0,55%
  • BBDC4 25,25 +0,04%
  • BRFS3 23,91 -1,97%
  • BRKM3 43,57 -0,98%
  • BRML3 9,95 +1,95%
  • BTOW3 62,7 -0,85%
  • CSAN3 89,25 -0,45%
  • ELET3 35,45 -1,50%
  • EMBR3 16,02 -0,37%
  • Petróleo 59,31 +0,00%
  • Ouro 1.750,70 +0,00%
  • Prata 25,55 +0,00%
  • Platina 1.209,30 +0,00%

10 notícias para lidar com os mercados nesta segunda-feira

Bolsas internacionais ensaiam recuperação. Ásia fecha em alta após retração menor que a esperada na economia do Japão. Índices futuros apontam alta para abertura em NY

São Paulo - Aqui está o que você precisa saber nesta segunda-feira (15):

1 Mercados: bolsas ensaiam recuperação; PIB do Japão surpreende. As bolsas na Ásia fecharam o dia em campo positivo e os principais índices na Europa operam com valorização após três semanas seguidas de perdas colocarem os múltiplos nos menores níveis em mais de dois anos. O Produto Interno Bruto (PIB) do Japão desacelerou menos que o esperado no segundo trimestre, sugerindo que a terceira maior economia do mundo se recupera dos danos do terremoto de 11 de março. Nos Estados Unidos, os índices futuros apontam para abertura positiva em Nova York.

2 Focus: mercado reduz previsão de IPCA, mas mantém Selic. O mercado financeiro reduziu pela segunda semana seguida sua estimativa para a inflação, após uma semana de instabilidade nos mercados globais, mostrou o relatório Focus divulgado pelo Banco Central, nesta segunda-feira. Foram reduzidas as previsões para a inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) deste ano - de 6,28% para 6,26% - e do próximo - de 5,27% para 5,23%.

3 GP Investments pretende recomprar até 12,2 milhões de ações. O GP Investments, maior fundo de private-equity da América Latina, disse que pretende recomprar até 12,2 milhões de ações Classe A até o dia 15 de agosto de 2012, segundo comunicado enviado ontem à Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

4 CVM vai acompanhar caso do fechamento dos fundos da GWI. A CVM vai acompanhar os desdobramentos do fechamento dos fundos da gestora GWI, informa reportagem do jornal Valor Econômico. As nove carteiras, incluindo uma de investimento no exterior e uma de funcionários da gestora, foram fechadas para resgate na sexta-feira (12) pelo administrador, o banco BNY Mellon, depois de um dos fundos registrar perdas além do patrimônio. As carteiras em geral vinham apresentando pesadas perdas por conta de apostas alavancadas em papéis de baixa liquidez, especialmente as ações do Marfrig.

5 Hypermarcas anuncia recompra de 9,5% das ações próprias. A Hypermarcas anunciou na noite de domingo (14) que irá recomprar até 9,5% das suas ações em circulação no mercado em até um ano, segundo comunicado enviado à CVM. Os recursos serão debitados das contas de reserva de capital disponíveis.


6 Agências de classificação são incapazes de prever quebras, diz WSJ. As agências de classificação de risco fracassaram nos últimos 35 anos em prever quais países corriam o risco de não honrar seus compromissos financeiros relativos à dívida pública, segundo um estudo do diário americano The Wall Street Journal publicado na última sexta-feira. De acordo com a publicação, desde 1975, as agências Standard & Poor's (S&P) e Moody's foram incapazes na maioria dos casos de advertir 12 meses antes quando uma economia nacional se aproximava da moratória.

7 Cemig negocia participação em Belo Monte, diz jornal. Além de usar a Light para entrar em Belo Monte, a Cemig também estuda adquirir uma participação direta na sociedade e com isso ter ao todo 10% do empreendimento, informa reportagem do jornal Valor Econômico. A estatal mineira deve comprar os 5% que estão hoje nas mãos das construtoras OAS e Queiroz Galvão e a Light, onde a Cemig é principal acionista, fica com os 5% das pequenas construtoras ainda sócias da usina hidrelétrica de Belo Monte. Se fechar a sociedade, a estatal vai se comprometer com um investimento da ordem de 3 bilhões de reais.

8 Bolsas do Brasil e México podem fazer parte de rede integrada. O presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, disse que as Bolsas de Valores do México e do Brasil podem fazer parte do Mercado Integrado Latino-Americano (Mila), a exemplo da Colômbia, do Chile e do Peru. Segundo ele, há um esforço coletivo que busca a integração dos mercados financeiros da América Latina.

9 TGLT entra com pedido de registro de companhia aberta na CVM. A TGLT, empresa argentina do setor imobiliário, entrou com pedido de registro para se tornar empresa de capital aberto no Brasil, segundo dados do website da Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Após se tornar uma empresa aberta, a TGLT poderá vender títulos como ações e dívida. Em outubro, a empresa vendeu ações em uma oferta inicial na bolsa de Buenos Aires.

10 Economia do Japão se contrai 0,3% entre abril e junho. O Produto Interno Bruto (PIB) do Japão se contraiu 0,3% no trimestre que vai de abril a junho, segundo dados publicados nesta segunda-feira pelo governo local. O dado representa uma contração do PIB japonês de 1,3% a ritmo anualizado. Em termos nominais, o PIB japonês se contraiu 5,7% a ritmo anualizado, segundo o relatório preliminar apresentado pelo Executivo.

Bônus Google vai comprar Motorola Mobility por US$ 12,5 bilhões. O Google vai comprar a Motorola Mobility por 12,5 bilhões de dólares (cerca de 40 dólares por ação). A operação foi aprovada pela direção das duas empresas. A compra da Motorola Mobility, uma parceira do Android, vai permitir que o Google aprimore o sistema, segundo a empresa. O Google vai administrar a Motorola Mobility como uma empresa separada.

Temporada de Resultados

> Marfrig registra prejuízo de R$ 91 milhões no segundo trimestre. A companhia, que classificou o cenário global como “desafiador” em seu balanço, encerrou o segundo trimestre de 2011 com prejuízo liquido de 91,0 milhões de reais - comparado a um lucro líquido de 103,8 milhões de reais no mesmo trimestre de 2010. No primeiro trimestre desse ano, a empresa também havia registrado lucro, de 23,5 milhões de reais.

> Minerva registra prejuízo de R$ 3,4 milhões no 2º trimestre. O frigorífico Minerva registrou prejuízo líquido de 3,4 milhões de reais no segundo trimestre de 2011, queda de 53,8% em relação ao prejuízo de 7,4 milhões de reais registrado no mesmo período de 2010. A receita líquida totalizou 940,2 milhões de reais, com elevação de 5,8% em relação aos 888,3 milhões de reais obtidos no mesmo período do ano passado.

> PDG Realty tem lucro 12% maior no segundo trimestre, para R$ 247,5 milhões. A construtora e incorporadora PDG Realty teve lucro líquido ajustado de 247,5 milhões de reais no segundo trimestre, aumento de 12% ante o ganho apurado no mesmo intervalo do ano passado.

> Lucro da Hypermarcas sobe 19,4% no segundo trimestre. A empresa de bens de consumo encerrou o segundo trimestre do ano com lucro líquido de 53,3 milhões de reais, um aumento de 19,4% ante os 44,6 milhões de reais anotados em igual período de 2010. A receita líquida foi de 936,6 milhões de reais no segundo trimestre de 2011, 25,4% maior do que o registrado no mesmo intervalo do ano passado, quando foi de 746,7 milhões de reais.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.