• BVSP 117.669,90 -0,5%
  • USD 5,6926 +0,0000
  • EUR 6,7616 +0,0000
  • ABEV3 15,43 -0,13%
  • BBAS3 29,27 +0,55%
  • BBDC4 25,25 +0,04%
  • BRFS3 23,91 -1,97%
  • BRKM3 43,57 -0,98%
  • BRML3 9,95 +1,95%
  • BTOW3 62,7 -0,85%
  • CSAN3 89,25 -0,45%
  • ELET3 35,45 -1,50%
  • EMBR3 16,02 -0,37%
  • Petróleo 61,11 +0,00%
  • Ouro 1.746,80 +0,00%
  • Prata 25,55 +0,00%
  • Platina 1.209,30 +0,00%

Juros nas mínimas: bancos globais podem perder até US$ 3,7 trilhões

Crescimento econômico fraco também ameaça às receitas das instituições financeiras segundo consultoria McKinsey

(Bloomberg) Bancos globais podem perder 3,7 trilhões de dólares em receita nos próximos quatro anos sob o impacto de taxas de juros baixíssimas e crescimento econômico fraco, que dificultam a recuperação do setor do impacto da pandemia, disse a consultoria McKinsey em relatório.

Aprenda a cuidar melhor de seu dinheiro, sem complicações. Conte com a assessoria especializada do BTG Pactual Digital.

As instituições serão afetadas por perdas com empréstimos de “magnitude não vista em décadas” durante a maior parte do próximo ano, de acordo com o relatório. Embora a esmagadora maioria dos bancos sobreviva, as instituições enfrentarão um “profundo desafio para as operações em andamento” por pelo menos quatro anos. No cenário mais provável, a McKinsey projeta queda de cerca de 14% das receitas do setor até 2024 em relação à trajetória pré-crise.

“É uma receita que acabou para sempre, que não será usada para inovação, para investimento”, disse Matthieu Lemerle, sócio sênior da consultoria, em Londres. “É realmente algo perdido e não vai voltar”, afirmou em entrevista.

A pandemia também limita o crescimento econômico. Com isso, consumidores devem pedir menos empréstimos, de acordo com Marie-Claude Nadeau, sócia da McKinsey em São Francisco. Esse fator é somado aos bilhões de dólares que devem ser perdidos devido à inadimplência no próximo ano.

A McKinsey calcula que as provisões globais para perdas com empréstimos irão aumentar para cerca de 1,9% do total - acima dos cerca de 1,4% de 2009, quando as perdas atingiram o pico após a crise financeira.

“O período de taxas de juros de zero porcento está sendo prolongado pela crise econômica e irá reduzir as margens de juros líquidas”, disse Nadeau em entrevista. “A troca entre reconstruir capital e pagar dividendos será gritante.”

O setor gerou US$ 5,5 trilhões em receitas em 2019, sendo que os segmentos de varejo e corporativo responderam por dois terços do total. A McKinsey prevê que esses segmentos vão crescer na mesma taxa do PIB regional.

Para manterem a rentabilidade, os bancos terão que se reposicionar de maneiras não previstas há nove meses, de acordo com o relatório, à medida que a pandemia acelera tendências que já começavam a ameaçar o setor. Entre elas estão a desglobalização, a ascensão das fintechs e maior urgência de sustentabilidade social e ambiental.

“Para se recuperar desse longo inverno, os bancos terão que se adaptar a essas tendências muito mais rápido do que pensavam”, disse Nadeau, que destacou mudanças na tomada decisões, maior foco no cliente e adoção mais rápida de ferramentas digitais.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.