IPO da empresa de tecnologia Bemobi pode movimentar R$ 1 bilhão

A precificação da oferta ocorrerá em 8 de fevereiro, com a estreia das ações na bolsa brasileira no dia 10

O clube de assinatura de aplicativos Bemobi Mobile pode movimentar cerca de 1 bilhão de reais em sua oferta inicial de ações (IPO), com base em dados do documento publicado pela companhia nesta segunda-feira, 18.

Ibovespa a 120 mil pontos: saiba o que se pode esperar da bolsa e das principais ações com a EXAME Research

O cálculo toma como base o ponto médio da faixa indicativa da oferta, de 17,60 e 23,10 reais por ação, e a venda integral do lote-base, de 49,7 milhões de papéis, composto todo de uma emissão primária — ou seja, cujos recursos da venda irão todo para o caixa da companhia.

A operação poderá ainda ser acrescida de 17,4 milhões de ações, referentes à venda de participação de atuais acionistas da Bemobi, o chamado lote secundário. A fatia poderá ou não ser vendida dependendo da demanda do mercado.

De acordo com o cronograma previsto, a precificação da oferta ocorrerá em 8 de fevereiro, com a estreia dos papéis na bolsa brasileira no dia 10, negociados sob o ticker BMOB3.

A companhia, que desde 2015, faz parte do grupo norueguês Otello Corporation, gera receita ao vender assinaturas do clube, em parceria com operadoras de telefonia, desenvolvedores e fornecedores de conteúdo. A empresa tem 200 parceiros de conteúdo, incluindo Disney, Rovio, Viacom e AngryBirds.

No fim de setembro, a Bemobi tinha 34,6 milhões de assinantes em 37 países e parceria com 70 operadoras de telefonia móvel. Além da assinatura de conteúdo para telefones celulares, a companhia vende serviços de microfinanças e de mensageria.

Além da matriz no Rio de Janeiro, a Bemobi tem escritórios na Ucrânia, Noruega e na Índia, e funcionários nas Filipinas, Indonésia, África do Sul, Bangladesh, Vietnã e Paquistão. Cerca de 42% da receita da companhia vem de operações internacionais.

De janeiro a setembro de 2020, a Bemobi teve receita líquida de 178 milhões de reais, alta de 10,7% sobre um ano antes, com margem Ebitda variando de 37,9% para 37,7%.

A companhia afirmou no prospecto preliminar da oferta que usará os recursos da oferta primária para pagar obrigações ligadas à reorganização societária, pagar dividendos devidos referentes a anos anteriores e para comprar ativos.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 9,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.