Ibovespa sobe mais de 1% e recupera 123 mil pontos à espera de estímulos americanos

Presidente eleito Joe Biden anunciou pacote de US$ 1,9 trilhão depois do fechamento do mercado; dólar fecha em queda de quase 2%

O Ibovespa subiu nesta quinta-feira, 14, em meio à expectativa de injeção de mais recursos na economia americana via pacote econômico de Joe Biden e também no reforço à política de estímulos do Federal Reserve (Fed), banco central americano. As notícias impulsionaram os mercados emergentes, e o principal índice da bolsa brasileira avançou 1,27% para 123.480 pontos.

Aprenda a cuidar melhor de seu dinheiro, sem complicações. Conte com a assessoria especializada do BTG Pactual digital

Após o fechamento de mercado, foi anunciado que o pacote proposto pelo presidente eleito é de 1,9 trilhão de dólares. O pacote inclui 415 bilhões de dólares para reforçar a resposta ao vírus e a distribuição de vacinas contra a Covid-19, cerca de 1 trilhão de dólares em auxílio direto às famílias e outros 440 bilhões de dólares para pequenas empresas e comunidades particularmente atingidas pela pandemia. As informações foram confirmadas por autoridades do governo Biden a repórteres em uma teleconferência.

Os cheques de estímulo seriam emitidos no valor 1,4 mil dólares, superando os cheques no valor de 600 dólares emitidos de acordo com o último pacote de estímulo do Congresso. O valor do auxílio-desemprego suplementar também aumentaria para 400 dólares por semana, ante os atuais 300 dólares por semana, e seria estendido até setembro.

As atenções também se voltaram para o discurso nesta tarde do presidente do Federal Reserve (Fed), Jerome Powell, que afirmou ser muito cedo para que o Fed discuta uma mudança em relação às compras mensais de 120 bilhões de dólares em títulos. 

“Uma lição da crise financeira global é ter cuidado para não sair (de estímulos) muito cedo. A economia está longe de nossos objetivos e estamos fortemente comprometidos em usar nossas ferramentas de política monetária até que o trabalho esteja bem e verdadeiramente feito”, completou Powell, rejeitando recentes sugestões de alguns de seus colegas de que o Fed poderia considerar reduzir suas compras de títulos ainda neste ano.

“A sincronia entre Biden do lado fiscal e Fed do lado monetário garantindo liquidez para a economia americana é vista com bons olhos pelo mercado, que reage tendo um dia bastante positivo”, afirma Gustavo Akamine, da Constância Investimentos. 

O movimento favorece os mercados emergentes e as blue chips, principais ações da bolsa brasileira, que funcionam como porta de entrada para o estrangeiro. Entre elas, o setor bancário foi o destaque do pregão de hoje em pontos, com Itaú (ITUB4) e Bradesco (BBDC4) avançando próximo a casa dos 3%. 

No campo das commodities, a Vale (VALE3) registrou alta 1,64%, repercutindo os dados de importação da China, que avançou 6,5% contra os 5% esperados. As ações da Petrobras (PETR3 e PETR4) também subiram na casa de 1%, apesar da desvalorização do petróleo. Confira os demais destaques de ações em detalhes aqui.

O otimismo com os possíveis estímulos nos EUA também contaminou o mercado de câmbio e o dólar caiu para a menor cotação registrada em 2021 frente ao real. A divisa americana recuou 1,9% e encerrou o dia negociada a 5,209 reais.

Outro suporte que influenciou o bom desempenho do real foi a notícia de que o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, conseguiu reverter a possível demissão do CEO do Banco do Brasil, André Brandão, segundo informações do Valor.

No mercado internacional, a maior parte das bolsas europeias encerraram o dia no azul com a promessa de estímulos nos Estados Unidos. O índice pan-europeu STOXX600 registrou um avanço de 0,72%. 

A promessa de liquidez, no entanto, não foi suficiente para segurar o bom desempenho dos ativos americanos, que recuaram ainda na expectativa do anúncio de Biden, que deve ocorrer ainda hoje. O Dow Jones recuou 0,22%, o S&P500 teve perdas de 0,38% o Nasdaq registrou queda de 0,12%.

 

Investidores também repercutem os pedidos de seguro desemprego, que dispararam nos Estados Unidos, ficando em 965.000. A estimativa era de que o número de pedidos ficassem em 795.000, levemente acima dos 787.000 da última divulgação. A alta do número de casos ocorre em meio ao endurecimento das medidas de isolamento para conter o avanço do coronavírus no país. Embora ruins, os dados reforçam a percepção de necessidade de mais estímulos.

Na Alemanha, o PIB de 2020 fechou com queda de 5% ante expectativa de retração de 5,2%. As estimativas para 2021 é de crescimento de 3,5%,, o que deve adiar para 2022 a volta aos níveis pré-pandemia. Na bolsa de Frankfurt, o índice DAX sobe cerca de 0,55%, já caminhando para o fechamento. No Estados Unidos, o índice Nasdaq avança 0,54% e o Dow Jones, 0,44%.

No radar do mercado ainda segue o andamento do processo de impeachment de Donald Trump, aprovado na véspera pela Câmara americana. A conclusão do processo ainda depende do apoio de dois terços do Senado. No entanto, o líder da maioria republicana do Senado, Mitch McConnell, sinalizou que não deve dar andamento ao processo até a posse de Biden, em 20 de janeiro – o que esfria os temores sobre protestos de apoiadores de Trump, como os da última semana.

Com Reuters

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.