Ibovespa encosta nos 113 mil pontos mesmo com decepção no PIB; dólar cai

Economia brasileira cresce 7,7% no terceiro trimestre, abaixo das expectativas; na comparação anual queda do PIB foi de 3,9%

O Ibovespa fechou alta nesta quinta-feira, 3, em linha com as bolsas internacionais e ignorando o resultado do PIB do terceiro trimestre, que saiu abaixo das expectativas. O índice chegou a superar a marca dos 113.000 pontos, mas foi contaminado pelo enfraquecimento das bolsas americanas no final da sessão. O Ibovespa encerrou o dia com avanço de 0,37%, aos 112.291 pontos -- maior marca desde o dia 21 de fevereiro.

Quer saber onde estão as melhores oportunidades de investimento? Descubra com a assessoria do BTG Pactual digital

De acordo com o IBGE, o PIB brasileiro do terceiro trimestre cresceu 7,7%, enquanto o mercado esperava por uma alta de 8,7%. Apesar da recuperação, o PIB ficou 3,9% inferior na comparação anual.  

A suposta incompatibilidade entre os resultados do PIB e a reação do mercado se explica pelo horizonte de curto prazo na opnião de Pedro Lang, diretor de renda variável da Valor Investimentos. “É uma situação em que o fluxo comprador na direção de empresas com mais liquidez acaba pesando mais do que o fundamento. Quando o mercado tem viés de alta, acaba ignorando um monte de notícia ruim e quando é de baixa, qualquer coisa vira um inferno”, disse.

Já Stefany Oliveira, analista da Toro Investimentos, argumentou que o resultado do PIB não foi de todo negativo. “O Brasil ainda não recuperou do tombo da pandemia, mas o resultado de hoje marca o começo da saída de uma recessão técnica. Além disso, é o maior desde 1996, então o mercado consegue absorver a divulgação de forma positiva”, afirmou. 

Na frente do câmbio, a divulgação do PIB aquém do esperado não impediu a forte queda do dólar frente ao real renovando mínimas em mais de quatro meses. A divisa americana caiu 1,94%, a 5,14 reais, menor patamar para um fechamento desde o dia 22 de julho (5,11 reais). Já o índice Dxy, que mede o desempenho da moeda americana contra seus pares, caiu 0,48%.

A explicação está na confiança na retomada da economia global, que também tem efeito positivo sobre as bolsas. “O mercado ainda está vivendo a euforia de novembro, quando notícias sobre vacinas motivaram as bolsas. A expectativa de mais estímulos nos Estados Unidos e de que os juros americanos vão se manter próximos de 0% até 2023 também estão motivando esse tom mais positivo”, diz Gustavo Berotti, economista da Messem. 

A propósito, a soma do valor de mercado de todas as empresas de capital aberto do mundo bateu 100 trilhões de dólares, em meio ao rali pelo qual passam as bolsas de valores.

Porém, uma notícia negativa sobre o prazo de imunização afetou o humor das bolsas americanas ao final da tarde. As ações dos EUA cortaram parte dos ganhos depois que o jornal Wall Street Journal informou que a Pfizer está adiando seu plano de implantação da vacina contra o coronavírus devido a problemas na cadeia de abastecimento.

O S&P500 teve leve perdas de 0,06% depois de ter atingido uma nova máxima intradia. Ainda assim, os dois outros principais índices fecharam no azul. O Dow Jones subiu 0,19%, e o Nasdaq avançou 0,23%. 

Cenário doméstico

Em alta desde o início do pregão, o Ibovespa subiu com ajuda das ações da Petrobras (PETR3 e PETR4) e dos grandes bancos que voltam a ter uma sessão positiva. Com os grandes investidores ainda fazendo mudanças de posições para papéis que ficaram para trás durante a pandemia, ações do setor de viagem e turismo estiveram entre as maiores altas do dia. 

Embraer (EMBR3) foi o destaque na sessão de hoje com a maior alta percentual do índice, de 11,05%. Na sequência vieram CVC (CVCB3) e Gol (GOLL4), com ganhos em torno de 8%. Veja os principais destaques da bolsa em detalhes aqui.

“Os investidores estão saindo de empresas de crescimento, como de tecnologia, e indo para de valor, e o nosso mercado é muito focado nesse tipo de companhia. Sem falar que nossa bolsa era uma das mais baratas em dólar, o que ajuda a atrair estrangeiros”, argumentou Lang. 

Somente em novembro, 33,32 bilhões de reais de capital externo entraram na bolsa. O segundo mês com a maior entrada de investidores internacionais foi outubro, quando entraram 2,87 bilhões de reais.

No campo político, o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta quinta-feira que as tratativas em torno da tramitação da proposta de reforma tributária encaminhada pelo governo ao Congresso estão interrompidas no momento em razão de um "desentendimento político", mas afirmou que o governo irá aprovar o projeto. A medida é aguardada pelo mercado porque faz parte da gama de soluções para enfrentar o desafio fiscal do país.

Recuperação das economias 

Em dia de agenda cheia no campo macroeconômico, foram divulgados nesta quinta-feira os índices de gerente de compras (PMIs, na sigla em inglês) de serviços e o composto referentes ao mês de novembro. 

No Brasil, os índices vieram acima da marca desejada dos 50 pontos, mas abaixo do registrado no mês anterior, indicando uma desaceleração da recuperação. O PMI de serviços ficou em 50,9 pontos e o composto em 53,8 pontos.

Na China, o PMI do setor de serviços ficou em 57,8 pontos, acima dos 50 pontos que delimitam a expansão da contração da atividade econômica e superior as estimativas de 56,5 pontos. 

Na Europa, os PMIs de serviços ficaram abaixo dos 50 pontos, pressionado por novas medidas de isolamento para conter a segunda onda de coronavírus. Ainda assim, o indicar veio acima das expectativas nos principais países do continente. Na Zona do Euro, o PMI de serviços ficou em 41,7 pontos contra estimativas de 41,3 pontos. 

Também nesta manhã foram divulgados os pedidos semanais de seguro desemprego nos Estados Unidos, que vieram abaixo das expectativas, ficando em 712.000 contra 775.000 esperado.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 1,90

Nos três primeiros meses,
após este período: R$ 15,90

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.