• BVSP 117.669,90 -0,5%
  • USD 5,6830 +0,0022
  • EUR 6,7616 +0,0000
  • ABEV3 15,43 -0,13%
  • BBAS3 29,27 +0,55%
  • BBDC4 25,25 +0,04%
  • BRFS3 23,91 -1,97%
  • BRKM3 43,57 -0,98%
  • BRML3 9,95 +1,95%
  • BTOW3 62,7 -0,85%
  • CSAN3 89,25 -0,45%
  • ELET3 35,45 -1,50%
  • EMBR3 16,02 -0,37%
  • Petróleo 59,31 +0,00%
  • Ouro 1.845,20 +0,00%
  • Prata 25,55 +0,00%
  • Platina 1.207,10 +0,00%

Gigante dos investimentos aposta em títulos "baratos" da América Latina

Gestora Vanguard vê oportunidade na região em comparação com Ásia e Oriente Médio

(Bloomberg) Um gestor de fundos que superou 99% dos pares nos últimos três anos acumula títulos de dívida da América Latina -- região com pior desempenho do mundo em desenvolvimento.

Dan Shaykevich, corresponsável por títulos de mercados emergentes e soberanos da Vanguard -- uma das maiores gestoras do mundo -- aumentou as posições em dívida soberana e corporativa da América Latina para mais de 40% neste ano, 5 pontos percentuais acima do nível no final de 2020. Segundo ele, os títulos estão baratos após um início de ano difícil.

Quais os setores com maior potencial no mercado de títulos? Descubra com a ajuda da Exame Invest Pro

A América Latina é a única região em mercados emergentes onde os spreads de títulos em dólar aumentaram neste ano, de acordo com índices do JPMorgan. Isso porque a piora da pandemia agravou a crise econômica e reforçou a expectativa de rebaixamentos das dívidas. É uma virada em relação a novembro e dezembro, quando os títulos da região registraram melhor desempenho em relação a pares em meio ao maior apetite por risco.

“Certamente, vemos a América Latina como atraente em relação à Ásia e ao Oriente Médio”, disse Shaykevich. Em outros mercados, com poucas exceções, os títulos estão muito caros ou muito arriscados. “As emissões recentes aliviaram o desequilíbrio entre oferta e demanda na América Latina, tornando vários desses créditos atraentes.”

Na região, o gestor prefere títulos de países que mantiveram as contas públicas sob controle durante a pandemia, como México e Guatemala. Ele também gosta dos títulos da Colômbia e diz que os temores de rebaixamento para a categoria de alto risco são exagerados. No lado corporativo, ele comprou títulos de algumas das empresas brasileiras que chegaram ao mercado neste ano.

O fundo Vanguard Emerging Markets Bond que Shaykevich ajuda a administrar, superou 99% dos pares nos últimos três anos. O fundo de 1,8 bilhão de dólares ofereceu retorno de 15% em 2020, superando o ganho de 5,3% do índice do JPMorgan.

Shaykevich disse que mais oportunidades podem surgir, já que os preços dos títulos de mercados emergentes podem cair nas próximas semanas, pois, mesmo com o alto volume de oferta no início do ano, as dívidas ainda são negociadas perto de níveis recordes.

“O mercado está um pouco mais frágil hoje do que há um mês”, disse. “Francamente, não me surpreenderia se visse uma correção entre pequena e modesta dos spreads nas próximas duas semanas.”

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.