No Reino Unido, CEOs ganham em 3 dias o que o trabalhador ganha em 1 ano

CEOs das maiores empresas do Reino Unido terão ganhado mais até o final da jornada de trabalho na quarta-feira do que o salário do trabalhador mediano ao longo de 2021, segundo estudo.

Quando concluírem suas primeiras 34 horas de trabalho remunerado, a remuneração média de um diretor-presidente de uma empresa do FTSE 100 excederá o salário médio anual para trabalhadores em tempo integral no Reino Unido, de acordo com o High Pay Centre, um think tank com sede em Londres.

As melhores oportunidades podem estar nas empresas que fazem a diferença no mundo. Veja como com a EXAME Research

“O salário dos principais CEOs hoje é cerca de 120 vezes maior do que o de um trabalhador típico do Reino Unido”, disse Luke Hildyard, diretor da organização. “Estimativas sugerem que era equivalente a cerca de 50 vezes mais na virada do milênio ou 20 vezes no início dos anos 1980.”

O salário médio de um CEO no Reino Unido foi de 3,6 milhões de libras (4,9 milhões de dólares) em 2019, enquanto o mais bem pago — Tim Steiner, do Ocado Group — recebeu 58,7 milhões de libras em remuneração total. Isso é 2.605 vezes mais do que o funcionário mediano, de acordo com o relatório anual de 2019 da empresa. O salário médio para todos os trabalhadores em tempo integral no Reino Unido é de 31.461 libras, de acordo com os dados mais recentes do Escritório de Estatísticas Nacionais.

Um porta-voz da Ocado disse que a remuneração de Steiner incluía um prêmio único concedido em 2019 e “reconhece o desempenho extraordinário da Ocado durante este período”.

Assine a newsletter Exame.ESG e descubra como a sustentabilidade empresarial impacta diretamente a performance de seus investimentos

Demissões

Os números destacam o efeito desigual que a pandemia de coronavirus teve em trabalhadores com altos e baixos salários, diante das dezenas de milhares de demissões anunciadas por empresas do FTSE 100 em 2020. A empresa de hospitalidade Whitbread, com uma relação de remuneração CEO/funcionário mediano de 143, cortou 1.500 empregos em 2020, enquanto a IAG SA, controladora da British Airways que tinha um índice de remuneração de 72 em 2019, anunciou 10.000 cortes.

A IAG disse em comunicado por e-mail que a empresa “monitora o pacote de remuneração geral de seus funcionários para garantir que reflita sua contribuição para o sucesso do grupo”.

Em resposta a um foco renovado na remuneração de executivos durante a pandemia, pelo menos 36 firmas do FTSE 100 anunciaram cortes de salários de CEOs no primeiro semestre de 2020, sendo o mais comum uma redução de 20% no salário-base, de acordo com o High Pay Center. Os CEOs cujos bônus anuais estão atrelados ao desempenho do preço das ações podem acabar perdendo o direito a eles.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 9,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.