C&A, Malwee e Renner lideram ranking de transparência na moda

Índice mede o quanto as empresas divulgam informações suas políticas trabalhistas, de pagamento e seus impactos sociais e ambientais

A C&A lidera, pelo terceiro ano, o Índice de Transparência da Moda Brasil, ranking que mede a disposição das empresas em divulgar suas práticas trabalhistas e os impactos que causam na sociedade e no meio ambiente. A empresa marcou 74 pontos de 100 possíveis. 

Em segundo lugar, ficou a Malwee, com 68%, a primeira marca nacional a entrar no ranking global de transparência — a edição brasileira foi lançada em 2018. Em seguida, estão Renner (59%), Youcom (59%), Hering (57%), Havaianas (55%) e Osklen (51%). Treze marcas zeraram a pontuação, entre elas Brooksfield, Fórum, Olympikus e TNG. 

As melhores oportunidades podem estar nas empresas que fazem a diferença no mundo. Veja como com a EXAME Research  

O índice foi lançado há três anos como uma das iniciativas do Fashion Revolution, movimento global criado em 2013, como resposta ao desastre do Rana Plaza, em Bangladesh. O prédio abrigava cinco confecções de roupas e desabou, matando 1.138 pessoas. 

A tragédia é considerada um ponto de inflexão no mercado de moda. As confecções trabalhavam para as melhores grifes do planeta. A desproporção entre os salários das costureiras e o preço final das peças nas boutiques da Champs-Élysées, sem contar as péssimas condições de trabalho, gerou uma mobilização global pela transparência no segmento.

O ranking da transparência é realizado globalmente. A primeira edição brasileira foi lançada em 2018, com 20 marcas analisadas. Este ano, 40 companhias entraram no índice. Para obter a pontuação, são analisados mais de 200 indicadores, que incluem desde trabalho forçado e igualdade de gênero, até o descarte de resíduos têxteis. 

Embora o ranking apresente uma boa fotografia das marcas com atuação mais sustentável, ele apenas indica as empresas que se dispõem a divulgar informações, e não o que de fato estão fazendo. “Sabemos que a transparência sozinha não representa o tipo de mudança sistêmica e estrutural que queremos ver dentro da indústria da moda, mas ela ajuda a revelar as estruturas em vigor para que possamos entender como mudá-las”, afirma Eloisa Artuso, diretora educacional do Fashion Revolution Brasil. 

Mesmo na questão da divulgação de dados, há muito a evoluir. Das 40 marcas, apenas 5 divulgam suas políticas de pagamento a fornecedores, 10 publicam suas pegadas de carbono e só 2 divulgam, anualmente, as emissões de toda a cadeia de produção.

Assine a newsletter Exame.ESG e descubra como a sustentabilidade empresarial impacta diretamente a performance de seus investimentos 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.