Bancos dos EUA emprestam bilhões para projetos de energia poluentes

Desde o início de 2016, bancos concederam mais de US$ 1,6 trilhão em empréstimos e serviços de subscrição para empresas de combustíveis fósseis

Quase cinco anos depois da assinatura do Acordo de Paris sobre a mudança climática, instituições financeiras ainda emprestam bilhões de dólares para empresas que extraem e queimam os recursos mais poluentes do planeta.

Desde o início de 2016, bancos concederam mais de US$ 1,6 trilhão em empréstimos e serviços de subscrição para empresas de combustíveis fósseis que planejam e desenvolvem projetos de petróleo, gás e carvão, de acordo com relatório conjunto de 18 organizações climáticas publicado na quinta-feira. Os três primeiros - Citigroup, Bank of America e JPMorgan Chase - emprestaram e subscreveram US$ 295 bilhões combinados.

As conclusões são baseadas em bancos e investidores ligados a empresas envolvidas em 12 projetos de energia, portanto, subestimam a escala global dos financiamentos para combustíveis fósseis. O valor total está próximo de US$ 3,7 trilhões quando incluídos todos os tipos de emissores corporativos, segundo dados compilados pela Bloomberg.

Juntos, os 12 projetos destacados no relatório têm potencial para produzir pelo menos 175 gigatoneladas de emissões extras de CO2, de acordo com o relatório, que foi coordenado pelo grupo climático alemão Urgewald. O volume corresponde a quase 75% do orçamento de carbono restante, que é necessário para limitar o aquecimento global a 1,5 ºC, de acordo com pesquisadores da Climate Analytics.

“Em vez de adotar uma abordagem rigorosa que impediria a expansão dos combustíveis fósseis e facilitaria sua eliminação, os bancos globais se recusam a romper com a tendência fatal de crescimento da extração fóssil”, disse Lucie Pinson, diretora executiva da Reclaim Finance, uma organização de Paris que contribuiu para o relatório.

Bancos dos EUA lideraram o financiamento de projetos domésticos, como a perfuração e fraturamento de petróleo na Bacia Permiana, que cobre áreas do Texas e do Novo México. O Bank of America emprestou mais de US$ 54 bilhões a empresas com projetos na bacia nos últimos cinco anos, mostra a pesquisa. Na China, o Banco Industrial e Comercial da China investiu mais de US$ 14 bilhões na indústria de carvão do país.

Bancos estatais não são perfeitos. O Banco Mundial forneceu mais de US$ 12 bilhões em empréstimos, garantias, investimento de capital e assistência técnica para projetos de combustíveis fósseis desde o Acordo de Paris, segundo o relatório. O Banco Mundial, por exemplo, concedeu US$ 80 milhões para assistência técnica no desenvolvimento de campos de petróleo e gás em Moçambique, incluindo fundos para um escritório de advocacia que atuou em nome da Exxon Mobil em 2018.

“Em 2020, começamos a ver os primeiros grandes bancos se comprometerem a zerar suas emissões líquidas globais financiadas até 2050”, disse Paddy McCully, diretor de clima e energia da Rainforest Action Network, que ajudou a escrever o relatório. “Mas isso significará pouco se não começarmos a ver os bancos se afastando agora desses megaprojetos de expansão de combustíveis fósseis”, que podem gerar emissões por décadas.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 9,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.