Embraer salta 8% com vacinas; BB cai com dúvidas sobre permanência de Brandão

Confira os principais destaques de ações desta quinta-feira

As ações das aéreas, concessões de rodovias e de empresas ligadas ao turismo lideraram os ganhos do Ibovespa nesta quinta-feira, 14, em meio ao anúncio de início da vacinação contra a covid-19 no Brasil, datado para a próxima quarta-feira, 20. No ranking das maiores altas, apareceram os papéis de Embraer (EMBR3), Azul (AZUL4), Ecorodovias (ECOR3) e CVC Brasil (CVCB3), com valorizações de 8,48%, 7,26%, 5,61% e 5,49%, respectivamente.

Conheça o maior banco de investimentos da América Latina e invista com os melhores assessores

Além do início da campanha de vacinação, o estrategista-chefe Gustavo Cruz, da RB Investimentos, comenta que a melhora nos preços dos ativos nesta tarde também ocorre com o presidente eleito Joe Biden muito próximo de anunciar mais um pacote de estímulos fortes nos Estados Unidos, enquanto também colabora a fala do presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, que afirmou que o momento de subir os juros nos EUA não está nem um pouco próximo. Nesta sessão, o Ibovespa fechou em alta de 1,27%, retomando o patamar dos 123.000 pontos.

Com o bom humor do mercado, só 20 das 81 ações que compõem o índice encerraram a sessão no negativo, puxadas por PetroRio (PRIO3), Natura (NTCO3) e Totvs (TOTS3), com quedas de 1,86%, 1,66% e 1,47%. O Banco do Brasil (BBAS3), que chegou a subir mais cedo com notícia de reversão da demissão do presidente da instituição, André Brandão, perdeu força e fechou em leve queda com informações sobre sua permanência ainda incerta. O mercado teme sobre interferência política na instituição.

Confira abaixo os principais destaques de ações desta sessão:

Banco do Brasil

As ações do Banco do Brasil (BBAS3), que chegaram a subir mais cedo com notícia de que o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, conseguiu reverter a possível demissão do CEO da instituição financeira, André Brandão, apagaram os ganhos e fecharam em queda de 0,24%. Segundo informou o G1, citando fontes do Planalto, o ministro da Economia, Paulo Guedes, ainda tentava impedir o pedido de demissão.

Ontem, os papéis recuaram 4,9% em meio a rumores sobre possível demissão de Brandão, menos de quatro meses após sua posse. Segundo a mídia, o gatilho para a decisão teria sido o anúncio de um plano de demissão voluntária de até 5 mil funcionários e fechamento de 112 agências pelo país, o que abriu uma crise no governo.

Em fato relevante divulgado ao mercado nesta manhã, o banco informou que não recebeu no âmbito de seus órgãos de governança nenhuma comunicação formal por parte do acionista controlador sobre qualquer decisão a respeito do assunto.

Vale e siderúrgicas

Entre as principais contribuições positivas em pontos para o Ibovespa hoje, apareceram as ações da Vale (VALE3), que subiram 1,64%, na esteira da alta dos preços do minério de ferro. A commodity negociada no porto chinês de Qingdao subiu 1,32% nesta sessão, indo para 172,37 dólares a tonelada. O movimento também impulsionou os papéis das siderúrgicas. Gerdau (GGBR4), Metalúrgica Gerdau (GOAU4), CSN (CSNA3) e Usiminas (USIM5) registraram alta de 4,17%, 2,81%, 3,14% e 1,81%, respectivamente.

No radar, a Vale tem hoje nova reunião fechada com autoridades do governo de Minas Gerais sobre acordo final de reparação pelo rompimento da barragem da empresa em Brumadinho.

Na semana passada, o secretário-geral do governo estadual, Mateus Simões, disse que o estado de Minas espera concluir o texto definitivo do acordo na reunião de hoje, para que as partes possam iniciar discussão sobre valores.

Em relatório desta data, os analistas do Bank of America elevaram o preço-alvo das ações da Vale de 100 reais para 135 reais, o que implica um potencial de valorização de 40% frente ao fechamento de ontem. Eles também destacaram os papéis como seus preferidos no setor, vendo um elevado valor relativo na empresa, uma vez que preços mais altos do minério de ferro devem suportar um rendimento de fluxo de caixa livre de dois dígitos e dividendos robustos nos próximos anos.

Para o primeiro semestre deste ano, eles estimam proventos de cerca de 4,1 bilhões de dólares, e lembram que, no Vale Day, evento anual da empresa com investidores do início de dezembro, a gestão sugeriu que qualquer pagamento adicional poderia ocorrer no segundo semestre, quando os fluxos de caixa tendem a ser mais fortes. Eles apontam ainda que outros catalisadores positivos para os papéis podem incluir o desinvestimento em ativos, aumento da produção de minério de ferro e um re-rating da ação, ajustando o valuation com seus pares mais próximos, uma vez que o acordo com as autoridades de Minas sobre Brumadinho seja resolvido.

Petrobras 

As ações ordinárias e preferenciais da Petrobras (PETR3; PETR4) fecharam em alta de 0,40% e 1,03%, acompanhando os preços do petróleo no exterior, que viraram para o positivo nesta tarde. Ontem, as ações da estatal caíram 4,8%, em movimento mais acentuado do que a queda da commodity (-0,9%), em meio à potencial greve de caminhoneiros no dia 1º de fevereiro. O presidente da Associação Nacional do Transporte Autônomos do Brasil (ANTB), José Roberto Stringasci, diz que o principal motivador da greve é a alta do preço do diesel.

Os analistas do BTG Pactual comentam que o noticiário recente sobre a política de preços da Petrobras e uma eventual nova greve dos caminhoneiros e rumores sobre interferência sobre a companhia explica parte do desempenho pior das ações versus dos preços do petróleo e seus pares no mercado.

“Entendemos que a gestão havia encontrado equilíbrio nos reajustes que possibilitou que a paridade internacional fosse perseguida sem necessidade de ajustes diários. Dito isso, vemos a gasolina e o diesel 21% e 14% abaixo do preço internacional ao fechamento de ontem”, comentam.

Eles apontam que essas notícias ocorrem “obviamente, em um momento ruim”, uma vez que a companhia está no meio de um processo de venda de três grandes refinarias. “Um dos principais pilares da nossa tese de investimento sempre foi que a gestão iria ter liberdade para operar independentemente e seguindo princípios de geração de valor. Na nossa visão esse pilar ainda se mantém, mas deve atrapalhar processo de re-rating da ação enquanto ruído persistir”.

Eles lembram ainda que, na última greve dos caminhoneiros, ficou claro que a companhia não deveria ser o veículo pelo qual o governo deveria implementar sua políticas, quando o subsídio de 10 bilhões ao diesel não impactou os resultado da companhia.

Nesta sessão, os contratos do petróleo Brent, negociados em Londres e usados como referência pela estatal, fecharam em alta de 0,55%, em 56,37 dólares o barril, em meio a expectativas de mais estímulos nos EUA.

Além disso, no radar, a Petrobras informou que vai divulgar seu relatório de produção e vendas do quarto trimestre do ano passado e do fechamento de 2020 no dia 2 de fevereiro, após o fechamento do mercado. Em seguida, no dia 24, informará ao mercado seu relatório de desempenho financeiro relativo ao mesmo período.

Carrefour 

Depois de caírem quase 2% na mínima do dia, as ações do Carrefour Brasil (CRFB3) viraram para o positivo e fecharam com ganhos de 1,03%, na terceira sessão consecutiva de alta. No período, acumulam valorização de 8,2%, em meio à oferta da rede canadense Couche-Tard pelo grupo francês Carrefour.

Ontem no final da tarde, no entanto, a euforia foi ofuscada após o ministro das finanças da França, Bruno Le Maire, comentar que o governo se opõe à compra da varejista pela rede canadense. Com isso, depois de terem subido 8,9% na máxima do dia, os papéis da companhia fecharam em alta mais amena de 1,04%.

O plano da Couche-Tard é pagar 20 euros por ação do Carrefour, o que avaliaria a empresa em cerca de 16,2 bilhões de euros. O valor da proposta corresponde a um prêmio de cerca de 29% frente ao fechamento de terça-feira dos papéis na Bolsa francesa (em 15,47 reais).

Na França, as ações do Carrefour caíram 2,51%, em dia de realização de lucros, depois de terem subido 13,4% ontem.

BTG Pactual

As units do BTG Pactual (BPAC11) avançaram 0,28%. No radar, o banco anunciou nesta manhã oferta pública primária (follow-on) com esforços restritos de 22,2 milhões de units. Considerando o preço de fechamento de ontem, a operação pode movimentar 2,03 bilhões de reais. A oferta poderá ser acrescida em até 25%, ou em até 5,5 milhões de units.

Segundo o banco, os recursos levantados na oferta serão usados para acelerar iniciativas estratégicas e o crescimento da área de negócios de varejo digital e
para manter fortes indicadores de capital e liquidez.

A oferta será coordenada pelo próprio BTG Pactual, no papel de coordenador líder, e também por Bradesco BBI, Itaú BBA, Morgan Stanley e Santander.

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.