Como esse especialista do BTG Pactual investiria R$ 20 mil hoje

“O mais importante é entender se o investidor potencial já tem sua reserva de emergência formada", diz Lucas Claro, analista técnico do maior banco de investimentos da América Latina
Com a popularização e disseminação da educação financeira nas redes sociais, há cada vez mais pessoas interessadas em investir (Getty Images/Getty Images)
Com a popularização e disseminação da educação financeira nas redes sociais, há cada vez mais pessoas interessadas em investir (Getty Images/Getty Images)
L
Leonardo Carmo

Publicado em 26/09/2022 às 15:30.

Última atualização em 04/12/2022 às 16:03.

Apesar de uma pesquisa realizada pela Leve, fintech de educação financeira, mostrar que mais da metade dos brasileiros não sabe se organizar para realizar metas de longo prazo, muitos são os que sonham em ter uma casa própria, fazer uma viagem, comprar um carro, preparar a aposentadoria ou realizar qualquer outro objetivo que demande planejamento financeiro

Para metas tão ambiciosas, além de planejamento financeiro, é necessário investimento. No entanto, muitas pessoas ainda têm uma visão de que aplicar dinheiro é um assunto restrito para empresários ou pessoas com muito poder aquisitivo. 

Quando questionado sobre essa visão, o especialista em análises técnicas do BTG Pactual, Lucas Claro, é categórico em dizer que isso não é verdade. De acordo com ele, “entender a economia e como ela vai impactar o seu dia a dia é importantíssimo para que possamos evoluir e nos tornarmos mais produtivos e bem-sucedidos”.  

Segundo o líder de análise técnica do Maior Banco de Investimentos da América Latina, existem três erros que investidores iniciantes cometem quando estão começando a aplicar dinheiro. 

Conte com a ajuda dos especialistas do maior banco de investimentos da América Latina para cuidar do seu dinheiro

1. Não procurar ajuda

Quando estão com a saúde fragilizada ou com indícios de alguma doença, prontamente as pessoas buscam o auxílio de um médico. Com as finanças não poderia ser diferente. No mundo globalizado, onde uma quantidade imensa de informações é compartilhada e alguns profissionais estudam certos temas com mais afinco, é natural contar com a ajuda de quem se especializa no assunto

Em finanças, isso serve tanto para otimizar o tempo quanto para tomar decisões mais acertadas. No entanto, é importante procurar por pessoas que, de fato, entendam de investimentos. "Com certa frequência, vemos investidores comprando ações porque um amigo deu uma dica ou está ganhando dinheiro com ela. Essa é uma atitude que normalmente não gera bons resultados”, explica Lucas Claro. 

Para o executivo, estudar as empresas, entender a dinâmica de mercado e acompanhar analistas são as principais formas de obter sucesso nos investimentos

2. Não respeitar o seu perfil de investidor

Antes de definir onde o dinheiro será aplicado, é importante que o perfil do investidor esteja muito bem definido, pois é ele que indica os riscos que a pessoa estará disposta a assumir no futuro e o padrão de comportamento em relação às mudanças do mercado.  

 De forma geral, há três tipos de investidores: 

  • Conservadores: preferem tomar menos riscos ao aplicar o dinheiro e buscam ganhos no longo prazo;  
  • Moderados: geralmente já têm um maior conhecimento do mercado financeiro e já aceitam algum tipo de risco, apesar de não abrirem mão da segurança;
  • Arrojados: têm maior tolerância a riscos ao investir e geralmente já possuem bastante conhecimento do mercado e um patrimônio maior e estabelecido; apostam em renda variável. 

    Descubra o seu perfil de investidor e os melhores investimentos para você. Clique aqui e comece já a cuidar do seu dinheiro. 

    3. Não estudar os produtos financeiros

    Em complemento ao erro de não procurar ajuda, não estudar os produtos financeiros é outro comportamento comum entre quem está começando no mundo dos investimentos. De acordo com Lucas Claro, não são poucas as pessoas que ainda subestimam a necessidade dos assessores. 

    “Os produtos financeiros não são bichos de sete cabeças, mas é necessário que o investidor saiba as particularidades de cada um deles, e o assessor existe exatamente para isso”, afirma Lucas. 

    Como alternativa, ele sugere o canal BTG Trader, onde diariamente são publicados conteúdos sobre o mercado, bolsa de valores e análises ao vivo por profissionais experientes. 

    Como investir o seu dinheiro 

    Apesar de não existir uma fórmula pronta para investimentos, há alguns cuidados e recomendações que devem ser levadas em consideração. Uma dica valiosa para quem está começando, segundo Lucas Claro, é começar por investimentos de riscos menores e ir alterando ao longo do tempo.  

    “O mais importante é entender se o investidor potencial já tem sua reserva de emergência formada. Depois disso, começar por ativos de renda fixa, com risco menor, e aos poucos evoluir para ativos de maior risco”, explica o especialista do BTG Pactual. 

    Ao ser questionado sobre como investiria R$ 20 mil tendo um perfil mais conservador, Lucas diz que aplicaria em renda fixa, com boa parte dos ativos atrelados à inflação, como os do tesouro direto IPCA + e CDB/LCI/LCA. 

    Além de “ativos com rentabilidade pré-fixada, visto que a expectativa para os próximos anos é que a taxa Selic caia e hoje vemos ativos com aproximadamente 15% ao ano de rendimento”. 

    Em contrapartida, se tivesse um perfil mais arrojado, o especialista em análises teria 25% em ativos pós-fixados atrelados à Selic, 10% em pós-fixados atrelados à inflação e 5% em prefixados. E os outros 60% em ativos de renda variável, principalmente ligados à performance da bolsa brasileira. 

    Investimentos na palma da sua mão: crie uma conta no maior banco de investimentos da América Latina e comece a multiplicar o seu dinheiro