Brasil estuda voltar a emitir dívida no exterior com melhora do mercado

Redução de incertezas com eleição de Biden e proximidade de aprovação de vacina para o coronavírus beneficia ativos em países emergentes

O Brasil poderá fazer uma emissão externa ainda em 2020, na esteira do aumento das colocações de títulos de países emergentes, em meio ao forte apetite dos investidores por ativos de maior risco.

“Caso haja uma janela de oportunidade, nada impede que o Brasil volte a realizar emissões ainda em 2020”, disse o Tesouro Nacional à Bloomberg em resposta enviada por e-mail.

A melhora do cenário para 2021 abre uma janela de oportunidades para os seus investimentos. Saiba como se posicionar com a EXAME Research

Segundo o Tesouro, “as emissões externas têm caráter qualitativo para o Brasil, uma vez que as necessidades de financiamento são supridas pelo mercado doméstico”. “Isso nos dá a flexibilidade de atuar nas emissões forma oportunística, aguardando janelas de oportunidade.”

Países emergentes se apressaram para captar recursos em moeda estrangeira nos últimos dias, ampliando o que deve ser um ano recorde para a emissão de títulos em dólares e euros nesses mercados.

O otimismo com o desenvolvimento da vacina para a Covid-19 aumentou o apetite dos investidores por risco, reduzindo os custos dos empréstimos.

O Peru, por exemplo, vendeu um título de 100 anos de menor rendimento para um país em desenvolvimento, apesar da turbulência política do país, e a Turquia, que está saindo de mais uma crise cambial, estendeu os vencimentos de dívidas denominadas em dólares e liras. A Costa do Marfim deverá precificar dívida denominada em euros com um rendimento menor do que no ano passado, apesar de ter recebido ajuda financeira do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Marcos De Callis, estrategista da gestora de recursos Hieron Patrimônio Familiar e Investimentos, diz que é “estranho” que o Brasil ainda não tenha emitido em meio à atual janela de oportunidade.

A venda ajudaria a reforçar o colchão de liquidez do Tesouro para lidar com a quantidade “pesada” de dívida com vencimento no início do próximo ano.

A última emissão externa do Brasil foi em junho, quando o país vendeu 3,5 bilhões de dólares em papéis com vencimento entre 5 e 10 anos.

O Brasil já gastou um valor recorde em 2020 para combater a pandemia e isso fez com que a dívida pública chegasse a quase 100% do PIB. Embora o Tesouro diga que todo o financiamento necessário hoje é atendido pelo mercado doméstico, o estímulo fiscal atingiu o colchão de liquidez do país. Ele agora é suficiente para honrar a dívida por três meses, contra seis meses nos anos anteriores.

O governo já tem em caixa metade do montante necessário para pagar sua dívida nos primeiros quatro meses de 2021, disse o ministro da Economia, Paulo Guedes, em evento na segunda-feira, 23.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 9,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.