Bolsonaro quer elevar isenção do imposto de renda para R$ 3 mil em 2022

Presidente disse que gostaria de encerrar o mandato com isenção de IR para todos que ganham até 5 mil reais mensais, mas reconheceu que não será possível

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta-feira que pretende elevar a isenção do imposto de renda para todos que ganhem até 3.000 reais por mês no próximo ano, após reiterar que não foi possível mexer na tabela do IR em 2020 devido aos impactos econômicos da pandemia de covid-19.

Bolsonaro disse que gostaria de encerrar o mandato com isenção de IR para todos que ganham até 5.000 reais mensais, mas reconheceu que não será possível.

“Vamos tentar pelo menos em 2022 passar para 3.000”, disse Bolsonaro em transmissão semanal ao vivo nas redes socais. “Não conseguimos levar adiante a mudança da tabela do imposto de renda por causa da pandemia.”

Atualmente, a isenção do imposto de renda vale para quem recebe até 1.903,98 reais mensais.

Bolsonaro também reforçou que o governo federal não tem planos de aumentar impostos federais. Ele criticou o aumento “em plena pandemia” do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) realizado em São Paulo.

“No meu governo não temos aumento de imposto federal”, declarou o presidente.

Ele destacou que a medida tem o aval do ministro da Economia, Paulo Guedes. O presidente citou ainda que costuma ser responsabilidade pelo aumento de preços de produtos no País, mesmo que sejam aumentos localizados.

“São Paulo aumentou o ICMS em quase tudo”, destacou o presidente.

Uma lei aprovada em outubro pela Assembleia Legislativa (Alesp) havia autorizado a redução linear de 20% nos benefícios fiscais concedidos a setores da economia. Por conta da pandemia, no último dia 6, o governo de São Paulo, suspendeu a redução de benefícios no ICMS para alimentos e remédios genéricos.

Em comparação, Bolsonaro citou que o governo federal diminuiu impostos e alíquotas de importação, como para produtos de combate a covid-19.

Segundo Bolsonaro, o seu governo “fez sua parte” durante a crise sanitária do novo coronavírus. “O governo federal fez tudo para ajudar no combate à pandemia”, disse.

O presidente voltou a criticar as medidas de restrições para combate à covid-19. Ele afirmou que não foi responsável por ações de fechamento e que o papel do Executivo consistiu em garantir “recursos e meios” para Estados e municípios.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.