• BVSP 117.669,90 -0,5%
  • USD 5,6830 +0,0022
  • EUR 6,7616 +0,0000
  • ABEV3 15,43 -0,13%
  • BBAS3 29,27 +0,55%
  • BBDC4 25,25 +0,04%
  • BRFS3 23,91 -1,97%
  • BRKM3 43,57 -0,98%
  • BRML3 9,95 +1,95%
  • BTOW3 62,7 -0,85%
  • CSAN3 89,25 -0,45%
  • ELET3 35,45 -1,50%
  • EMBR3 16,02 -0,37%
  • Petróleo 57,86 +0,00%
  • Ouro 1.750,70 +0,00%
  • Prata 25,34 +0,00%
  • Platina 1.207,10 +0,00%

Alta do juro em março ou maio? Mercado se divide e aguarda novos dados

Volta da negociação dos contratos de juros futuros e a divulgação do Boletim Focus vão dar sinais sobre as expectativas do mercado para o aumento da taxa Selic

O mercado financeiro doméstico volta do feriado de Carnaval nesta quarta-feira de Cinzas a partir das 13h, com a reabertura dos negócios na B3. Mas, uma hora antes, o noticiário já começa a ser ocupado com a divulgação do Boletim Focus, com as projeções atualizadas do mercado para a economia brasileira em 2021 e 2022.

Quer saber como a economia interfere nos preços dos ativos? Leia os relatórios gratuitos da EXAME Research

Analistas e investidores estarão atentos em especial às estimativas para a inflação e para a taxa básica de juros ao fim deste ano e do próximo. Junto com a volta da negociação dos contratos de juros futuros, ambos os "eventos" vão fornecer subsídios sobre a visão e as expectativas do mercado para a taxa básica de juros, a Selic, hoje em 2% ao ano.

O mercado estava construindo um consenso sobre a elevação da taxa já na próxima reunião do Copom (o Comitê de Política Monetária) nos dias 16 e 17 de março, por causa tanto do comunicado da última reunião como da ata da mesma. Mas declarações do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, na última quinta, abriram margem para a interpretação de que o colegiado pode esperar por mais informações antes de elevar a Selic.

Além disso, na última semana houve também a divulgação do IPCA de janeiro, que revelou que a inflação ao consumidor subiu menos do que o esperado. Novas informações sobre a volta do auxílio-emergencial e da forma como o governo vai bancar essas despesas também são aguardadas por investidores e pelos integrantes do Copom.

Para o ex-diretor de Política Monetária do BC Luiz Fernando Figueiredo, o mercado superestima a alta para a Selic, segundo afirmou à Bloomberg. Figueiredo, CEO e sócio-fundador da gestora Mauá Capital, disse que o BC se tornou "data dependent", o que significa que vai aguardar novos dados antes de definir os rumos da política monetária.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.