Inteligência Artificial

Mark Zuckerberg planeja um "matador de ChatGPT" para 2024

A gigante por trás do Facebook e Instagram busca acelerar o desenvolvimento em inteligência artificial após ficar atrás dos concorrentes

Mark Zuckerberg: CEO da Meta (Reprodução/Shutterstock)

Mark Zuckerberg: CEO da Meta (Reprodução/Shutterstock)

André Lopes
André Lopes

Repórter

Publicado em 11 de setembro de 2023 às 19h10.

Última atualização em 18 de setembro de 2023 às 11h11.

Meta, a empresa controladora de Facebook e Instagram, está trabalhando em um novo modelo de inteligência artificial (IA) que tem como objetivo ser comparável ao mais avançado modelo da OpenAI.

A nova ferramenta, prevista para ser lançada em 2024, segundo apurou o Wall Street Journal, será significativamente mais potente que o sistema Llama 2, lançado pela Meta há apenas dois meses.

A nova IA, cujos detalhes ainda podem mudar, auxiliará outras empresas a desenvolver serviços capazes de produzir textos e análises complexas. O projeto é liderado por um grupo formado no início deste ano pelo CEO da Meta, Mark Zuckerberg, e está focado em desenvolver todo tipo de solução com IA generativa.

A iniciativa é parte dos esforços de Zuckerberg para posicionar a Meta como uma força relevante no mundo da inteligência artificial, em um momento em que a competição nesse segmento se intensifica.

O projeto envolve a construção de data centers especializados e a aquisição de chips H100s, da Nvidia, usados especificamente para o treinamento desses modelos avançados de IA.

A ideia é criar independência de fornecedores que também são concorrentes. O Llama 2 foi disponibilizado na plataforma de computação em nuvem Azure da Microsoft, já o novo projeto, será inteiramente em infraestrutura da Meta.

Ao contrário de modelos proprietários, o novo projeto de IA da Meta será open-source, permitindo que outras empresas desenvolvam ferramentas alimentadas por esse modelo sem custos.

O projeto marca uma nova postura de Mark Zuckerberg, que planeja também estar presente em uma cúpula organizada pelo líder da maioria no Senado dos EUA, Chuck Schumer, para discutir o futuro da regulamentação em IA, juntamente com outros executivos de tecnologia como Sam Altman, CEO da OpenAI, e Sundar Pichai, CEO da Google. Seu discurso é de que a abertura dos algoritmos será melhor para o desenvolvimento de um novo mercado.

Meta sem garantias

O modelo em desenvolvimento pela Meta não garante que a empresa fechará a lacuna com seus concorrentes. Enquanto a OpenAI lançou o GPT-4 em março, um modelo treinado em cerca de 1,5 trilhão de parâmetros, o Llama 2 da Meta foi treinado em 70 bilhões de parâmetros.

Especialistas em IA sugerem que há outras abordagens possíveis para alcançar o poder do GPT-4 sem necessariamente atingir seu tamanho.

O modelo open-source tem suas vantagens, mas também apresenta desafios legais e éticos, como o risco de desinformação e uso inadequado.

Acompanhe tudo sobre:Inteligência artificialMetamark-zuckerbergOpenAIChatGPT

Mais de Inteligência Artificial

Cerca de 80% das empresas no Brasil investiram ou vão investir em IA nos próximos 12 meses

OpenAI define cinco níveis para alcançar a inteligência artificial humana

Pesquisa mostra resistência ao uso de IA no atendimento ao cliente

AMD anuncia aquisição do maior laboratório privado de IA da Europa por R$ 3,5 bilhões

Mais na Exame