Inteligência Artificial

Inteligência artificial generativa pode injetar US$ 4,4 trilhões anualmente na economia global

Relatório do McKinsey Global Institute prevê que 50% de todos os trabalhos serão automatizados entre 2030 e 2060

André Lopes
André Lopes

Repórter

Publicado em 14 de junho de 2023 às 14h03.

Última atualização em 14 de junho de 2023 às 14h18.

De acordo com um relatório do McKinsey Global Institute, a inteligência artificial generativa poderia agregar até US$ 4,4 trilhões de valor à economia global anualmente. Este é um dos cenários mais otimistas acerca do impacto econômico dessa tecnologia em rápida evolução.

A inteligência artificial generativa, que engloba chatbots como o ChatGPT capazes de gerar texto em resposta a solicitações, pode aumentar a produtividade economizando de 60% a 70% do tempo dos trabalhadores por meio da automação do seu trabalho. Isso de acordo com o relatório de 68 páginas publicado na quarta-feira. Metade de todos os trabalhos será automatizada entre 2030 e 2060, informou o relatório.

A McKinsey já havia previsto que a IA automatizaria metade de todo o trabalho entre 2035 e 2075, mas a ascensão dos dispositivos de IA generativa, que se tornaram proeminentes no cenário tecnológico no final do ano passado, antecipou essa previsão.

O relatório da McKinsey é um dos poucos até agora a quantificar o impacto de longo prazo da IA generativa na economia. Isso ocorre em um momento em que o Vale do Silício está focado em ferramentas de IA generativa como o ChatGPT e o Bard do Google, com empresas de tecnologia e venture capital investindo bilhões de dólares na tecnologia.

Essas ferramentas desencadearam um debate sobre como irão afetar os empregos e a economia mundial. Alguns especialistas prevêem que a IA deslocará pessoas de seus trabalhos, enquanto outros acreditam que as ferramentas podem aumentar a produtividade individual.

O problema da IA

Na semana passada, o Goldman Sachs divulgou um relatório alertando que a IA poderia levar à interrupção dos trabalhadores e que algumas empresas se beneficiariam mais da tecnologia do que outras. Em abril, um pesquisador de Stanford e pesquisadores do Instituto de Tecnologia de Massachusetts divulgaram um estudo mostrando que a IA generativa poderia aumentar a produtividade de operadores de call center sem experiência em 35 por cento.

No entanto, David Autor, professor de economia do M.I.T., alertou que a IA generativa "não será tão milagrosa quanto as pessoas afirmam".

A maioria dos estudos econômicos sobre IA generativa não leva em consideração outros riscos da tecnologia, como a possibilidade de disseminar informações falsas e eventualmente escapar do controle humano.

A maior parte do valor econômico da IA generativa provavelmente virá de ajudar os trabalhadores a automatizar tarefas em operações de atendimento ao cliente, vendas, engenharia de software e pesquisa e desenvolvimento. A IA generativa pode criar "superpoderes" para trabalhadores de alta qualificação, pois a tecnologia pode resumir e editar conteúdo.

Acompanhe tudo sobre:Inteligência artificialChatGPTMcKinsey

Mais de Inteligência Artificial

Cerca de 80% das empresas no Brasil investiram ou vão investir em IA nos próximos 12 meses

OpenAI define cinco níveis para alcançar a inteligência artificial humana

Pesquisa mostra resistência ao uso de IA no atendimento ao cliente

AMD anuncia aquisição do maior laboratório privado de IA da Europa por R$ 3,5 bilhões

Mais na Exame