Inteligência Artificial

Fundo por trás da francesa Mistral levanta US$ 2 bilhões para investir em inteligência artificial

Com mais de 28 anos de atuação, a Index Venture é uma apoiadora de startups como Revolut, Discord e Figma

André Lopes
André Lopes

Repórter

Publicado em 10 de julho de 2024 às 10h55.

Última atualização em 10 de julho de 2024 às 11h00.

A Index Ventures arrecadou mais de US$ 2 bilhões para aproveitar os recentes avanços em inteligência artificial (IA), que, segundo a firma de capital de risco, remodelarão toda a economia.

A gestora de 28 anos, que apoia startups como Revolut, Discord e Figma, arrecadou um total de US$ 2,3 bilhões de investidores institucionais. A Index, que possui escritórios em Londres, São Francisco, Nova York, Genebra e Jersey, destinou US$ 800 milhões desse total para startups em estágio inicial e US$ 1,5 bilhões para apostas maiores em empresas de estágio avançado.

A Index foi uma investidora inicial na Mistral, a startup mais valiosa da Europa no segmento de IA, e na Cohere, uma startup sediada em Toronto que constrói modelos de IA para empresas. A firma também apoiou a Scale AI, que fornece infraestrutura para empresas de modelos de IA e foi recentemente avaliada em US$ 14 bilhões.

O boom de investimentos em IA do ano passado gerou preocupações sobre a formação de uma bolha. Em um post recente no blog, David Cahn, parceiro da Sequoia Capital, outra firma de capital de risco do Vale do Silício, alertou sobre uma “frenesi especulativa” em torno da IA, acrescentando que “muitas pessoas perdem muito dinheiro durante ondas tecnológicas especulativas”.

“Venture não é um jogo de valor, muito pelo contrário,” disse ele. “Com as melhores empresas, você sempre sente que está pagando caro. Isso é o que te deixa desconfortável.” Ele acrescentou: “Muitas vezes, grandes empresas parecem muito caras, mas acabam sendo muito baratas em cinco anos.”

A Index investiu pela primeira vez na Mistral há um ano, no que foi, na época, a maior rodada de sementes já vista para uma startup europeia, avaliando a empresa parisiense em € 240 milhões. Sua avaliação desde então disparou para quase € 6 bilhões.

A maior parte dos bilhões de dólares que foram investidos em startups de IA veio dos maiores grupos de tecnologia como Microsoft, Amazon e Google, que ajudaram a dar a algumas empresas, como OpenAI e Anthropic, uma vantagem no desenvolvimento de modelos de IA poderosos.

Mas os investidores de risco com recursos mais limitados ainda esperam competir e estão apostando que modelos de IA poderosos criarão uma plataforma para novas aplicações, da mesma forma que o advento da internet ou dos smartphones fez.

O financiamento mais recente da Index está abaixo dos US$ 3,1 bilhões que levantou em 2021 em três novos fundos no auge do ciclo tecnológico mais recente. Isso reflete um mercado muito diferente para startups hoje, apesar das enormes somas levantadas por algumas poucas empresas de IA de destaque.

No entanto, a captação de recursos é o último sinal de um descongelamento parcial no capital de risco após dois anos em que as empresas adiaram a busca por novos fundos.

As maiores feiras de tecnologia do mundo

Acompanhe tudo sobre:Inteligência artificialInvestimentos de empresasStartups

Mais de Inteligência Artificial

5 teorias malucas para explicar o "Grande Apagão Cibernético"

Loft apresenta simulador com IA no WhatsApp que encurta prazo de financiamento de 60 para 30 dias

OpenAI lança GPT-4o Mini, um modelo mais leve e acessível para desenvolvedores

O Brasil entre a inovação e a colonização digital

Mais na Exame