• AALR3 R$ 20,01 -0.30
  • AAPL34 R$ 70,99 3.76
  • ABCB4 R$ 16,93 1.62
  • ABEV3 R$ 14,23 0.14
  • AERI3 R$ 3,76 -0.53
  • AESB3 R$ 10,81 -1.01
  • AGRO3 R$ 31,09 -1.11
  • ALPA4 R$ 22,80 2.84
  • ALSO3 R$ 19,15 1.59
  • ALUP11 R$ 26,48 -0.08
  • AMAR3 R$ 2,52 -2.70
  • AMBP3 R$ 31,84 -1.58
  • AMER3 R$ 21,57 0.33
  • AMZO34 R$ 3,52 4.14
  • ANIM3 R$ 5,51 -0.72
  • ARZZ3 R$ 83,00 2.13
  • ASAI3 R$ 15,78 -1.93
  • AZUL4 R$ 20,92 -0.14
  • B3SA3 R$ 12,68 2.18
  • BBAS3 R$ 37,07 -1.04
  • AALR3 R$ 20,01 -0.30
  • AAPL34 R$ 70,99 3.76
  • ABCB4 R$ 16,93 1.62
  • ABEV3 R$ 14,23 0.14
  • AERI3 R$ 3,76 -0.53
  • AESB3 R$ 10,81 -1.01
  • AGRO3 R$ 31,09 -1.11
  • ALPA4 R$ 22,80 2.84
  • ALSO3 R$ 19,15 1.59
  • ALUP11 R$ 26,48 -0.08
  • AMAR3 R$ 2,52 -2.70
  • AMBP3 R$ 31,84 -1.58
  • AMER3 R$ 21,57 0.33
  • AMZO34 R$ 3,52 4.14
  • ANIM3 R$ 5,51 -0.72
  • ARZZ3 R$ 83,00 2.13
  • ASAI3 R$ 15,78 -1.93
  • AZUL4 R$ 20,92 -0.14
  • B3SA3 R$ 12,68 2.18
  • BBAS3 R$ 37,07 -1.04
Abra sua conta no BTG

Volkswagen lança o primeiro caminhão 100% elétrico produzido no Brasil

Com autonomia de até 250 quilômetros, o VW e-Delivery transforma em realidade entregas mais sustentáveis e conquista clientes como JBS, Ambev e Coca-Cola
 (Divulgação/VOLKSWAGEN)
(Divulgação/VOLKSWAGEN)
Por exame.solutionsPublicado em 30/07/2021 09:00 | Última atualização em 30/07/2021 08:44Tempo de Leitura: 5 min de leitura

O papel da Volkswagen no mercado de caminhões e ônibus é mais que expressivo. Nas vendas de caminhões no Brasil, a montadora é líder no segmento. Em 2020, por exemplo, respondeu por 28,7% dos emplacamentos de caminhões, de acordo com a Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave). Do total de ônibus emplacados no mesmo ano, de acordo com a mesma entidade, 23,4% saíram das fábricas da companhia de origem alemã.

Determinada a contribuir com as empresas que buscam sustentabilidade com a redução na pegada de CO2, a Volkswagen acaba de apresentar o VW e-Delivery. Trata-se do primeiro caminhão 100% elétrico totalmente desenvolvido, testado e fabricado no Brasil.

Para tirá-lo do papel, a companhia investiu 150 milhões de reais e escalou cerca de 150 engenheiros e técnicos brasileiros ao todo foram mais de 400.000 quilômetros de testes.

“O futuro chegou”, afirma Roberto Cortes, presidente e CEO da montadora. “Mais do que vender produtos ou soluções em serviços, nosso propósito é unir o transporte de pessoas e bens ao uso de energias cada vez mais renováveis e limpas.” O executivo destaca que a empresa se debruça sobre diferentes matrizes energéticas há muitos anos. “Prova disso é o pioneirismo de nossa empresa com o Volkswagen e-Delivery”, resume.

Caminhão elétrico

A novidade, com zero emissões de CO2 e outros poluentes, chega ao mercado a reboque de clientes estratégicos. Depois da Ambev, JBS e Coca-Cola resolveram adquirir o novo caminhão. “E em pleno lançamento comercial”, ressalta Cortes. Além disso, diversas outras empresas já estão em conversas para incluir o novo modelo em suas frotas.

A Ambev demonstrou interesse em incluir o e-Delivery em sua frota em 2018, anunciando a intenção de compra de 1.600 unidades. O modelo havia sido apresentado no ano anterior, no Innovation Day, evento sobre tecnologias inovadoras promovido pelo Grupo Traton em Hamburgo, na Alemanha. Mais recentemente, a companhia do grupo AB InBev bateu o martelo na compra de 100 veículos, que serão entregues até outubro deste ano.

Economia: testes do e-Delivery mostram que caminhões a diesel teriam consumido 10.000 litros de combustível a mais para rodar os mesmos 45.000 quilômetros (VOLKSWAGEN/Divulgação)

Mais autonomia

Foi em parceria com a Ambev, aliás, que a Volkswagen Caminhões e Ônibus realizou parte dos testes do e-Delivery. O intuito das duas companhias era avaliar a novidade em situações do dia a dia. Foram mais de 45.000 quilômetros rodados só nesse ciclo de testes. Caminhões a diesel teriam consumido 10.000 litros de combustível para rodar o mesmo trajeto e emitido mais de 34 toneladas de CO2.

Há duas versões do VW e-Delivery, com 11 e 14 toneladas de peso bruto total. Ambas estão equipadas com um motor que entrega 300 kW com torque máximo de 2.150 Nm desde a rotação zero.

São oferecidas duas opções de conjuntos de baterias de 600 V, com três ou seis módulos de bateria, de acordo com a autonomia necessária. A recarga de 80% pode ser realizada em até 45 minutos, dependendo do carregador utilizado.

Autonomia? De até 250 quilômetros. Sempre que o motorista pisa no freio ou quando ocorre desaceleração, as baterias são recarregadas automaticamente. Registre-se que elas são de íon lítio e estão livres de níquel, cobalto e manganês, substâncias mais nocivas ao meio ambiente.

Para a reciclagem adequada das baterias, a VWCO conta com o apoio da Moura, empresa parceira do e-Consórcio e Consórcio Modular.

A suspensão pneumática do e-Delivery de 14 toneladas permite suspender um dos eixos para gerar mais economia no dia a dia. Sua capacidade máxima de carga útil é de 9.055 quilos, a maior de sua categoria no segmento elétrico do Brasil. A capacidade máxima de carga útil do modelo menor é de 6.320 quilos.

Autonomia de até 250 quilômetros: sempre que o motorista pisa no freio ou desacelera, as baterias são recarregadas automaticamente (Colocar imagem 3D da regeneração) (VOLKSWAGEN/Divulgação)

Sustentabilidade

O novo caminhão sustentável está sendo vendido em conjunto com serviços inéditos, próprios para modelos elétricos. O e-Fleet, por exemplo, é o novo aplicativo da plataforma RIO e permite que o motorista ou o gestor da frota monitore em tempo real todas as informações do veículo e da operação. Possibilita, inclusive, descobrir quanto de CO2 o caminhão deixou de emitir a cada curva.

A Volkswagen Caminhões e Ônibus, pensando em proporcionar uma solução completa a seus clientes, oferece ainda uma consultoria para adequação da infraestrutura elétrica e dimensionamento de sistemas de recarregamento para o e-Delivery, tudo de maneira customizada para cada aplicação.

O lançamento é mais uma conquista do novo programa ambiental da Volkswagen, o Zero Impact Factory. Ele prevê a redução do uso de recursos nas fábricas e a neutralidade climática até 2030.

A meta no Brasil é reduzir o impacto ambiental na produção em 30% até 2025, em comparação ao ano de 2010. As conquistas já podem ser vistas nas ruas do país.