Zuckerberg se diz tranquilo sobre déficit de US$ 2,8 bi em divisão de metaverso no segundo trimestre

O cofundador do Facebook mantém otimismo quanto à mudança de foco da empresa para o metaverso e afirma que é um "empreendimento de alto custo"
No último ano, a empresa mudou seu foco para o metaverso (Facebook Reality Labs/Captura de tela/Reprodução)
No último ano, a empresa mudou seu foco para o metaverso (Facebook Reality Labs/Captura de tela/Reprodução)
C
Cointelegraph Brasil

Publicado em 28/07/2022 às 13:36.

Última atualização em 28/07/2022 às 14:02.

A divisão de realidade virtual (VR) e metaverso da Meta, Reality Labs, registrou seu sétimo trimestre consecutivo de perdas, mas o CEO Mark Zuckerberg continua firme em investir na tecnologia, que ele chama de “grande oportunidade”.

Durante a teleconferência de resultados do segundo trimestre da Meta na quarta-feira, Zuckerberg reconheceu que essas perdas podem continuar por vários anos até que os aplicativos de VR e sua plataforma de metaverso estejam maduros o suficiente para aproveitar a “grande oportunidade” no valor de “centenas de bilhões de dólares:”

“O metaverso é uma grande oportunidade por vários motivos. Sinto ainda mais fortemente agora que o desenvolvimento dessas plataformas desbloqueará centenas de bilhões de dólares, se não, trilhões ao longo do tempo.”

“Este é obviamente um empreendimento muito caro nos próximos anos”, acrescentou Zuckerberg, “estou confiante de que ficaremos felizes por termos desempenhado um papel importante na construção disso”.

A extensão de perdas operacionais para o Reality Labs foi revelada no relatório de ganhos do segundo trimestre da Meta no início do dia. Tais perdas não são incomuns para divisões em fase de pesquisa e desenvolvimento.

(Mynt/Divulgação)

O Reality Labs cria aplicativos de VR e realidade aumentada (AR) para ajudar os usuários da Meta a se conectarem em suas várias plataformas sociais, incluindo o metaverso, com a linha Oculus de headsets VR.

Além das perdas, a receita do Reality Lab está em queda desde 2021 e sua margem operacional está em queda desde 2020. A receita de US$ 11,1 bilhões e a margem de 29% registradas no segundo trimestre de 2022 são as mais baixas nos últimos sete trimestres.

Reality Labs registrou US$ 2,9 bilhões em perdas no primeiro trimestre. Zuckerberg também observou que um “ambiente macro desafiador” pode estar exacerbando as perdas.

Ele disse que a situação econômica agora é pior do que era um trimestre atrás, e sua opinião é corroborada pelo fato de que o Federal Reserve elevou as taxas de juro em 0,75 ponto percentual pela segunda vez consecutiva na quarta-feira antes da divulgação dos balanços da Meta, acrescentando:

“Parece que entramos em uma crise econômica que terá um amplo impacto no negócio de publicidade digital. Nesse ambiente, estamos focados em fazer um investimento de longo prazo que nos posicione para sairmos mais fortes.”

Apesar dos problemas econômicos, Zuckerberg está confiante de que sua empresa e suas subsidiárias sairão da atual crise econômica como “uma organização mais forte e disciplinada”.

Ele atribuiu essa confiança aos investimentos que sua empresa está fazendo agora para garantir que seja capaz de permanecer líder em um setor que pode estar passando por uma mudança para acomodar mais plataformas do metaverso.

Enquanto isso, a Comissão Federal de Comércio dos Estados Unidos (FTC) entrou com uma ação contra a Meta, alegando que a empresa pretende monopolizar todo o mercado do metaverso. A denúncia afirma que os movimentos da Meta dentro do espaço impedem a inovação e a “rivalidade competitiva” entre empresas sediadas nos EUA que buscam construir plataformas e aplicativos para o metaverso.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube | Telegram | Tik Tok