'Viveremos no metaverso muito antes de colonizar Marte', diz executivo

Para Vice Presidente Executivo de corretora cripto, o metaverso será uma realidade muito antes da colonização dos humanos em Marte
Metaverso já é conceito mais antigo do que se imagina (Eugenio Marongiu/Getty Images)
Metaverso já é conceito mais antigo do que se imagina (Eugenio Marongiu/Getty Images)
C
Cointelegraph BrasilPublicado em 03/10/2022 às 09:41.

Desde o boom das criptomoedas entre os anos de 2020 e 2021 muitos termos surgiram no mercado e, grande parte deles, ajudaram a redefinir a forma como nos relacionamos com a sociedade. Aplicações como Finanças Descentralizadas (DeFi), são hoje incoroporadas por Bancos Centrais no sistema financeiro de suas nações, como ocorre no Brasil com o Real Digital.

Além disso aplicações como NFTs redefiniram a forma como nos relacionamos com arte digital e experências neste novo ambiente conectado. A partir deles o metaverso ganhou tanta força que impulsiona as maiores empresas do mundo a se aventurar em criar uma nova realidade digital.

No entanto, quando tudo isso bombava, veio 2022 e o mercado de baixa jogando o valor dos criptoativos para baixo. Isso fez com que muitos investidores e participantes do mercado a questionar se tudo não passou de uma euforia ou se o momento atual é apenas uma correção e que não há futuro sem estas transformações.

(Mynt/Divulgação)

Para falar sobre este e outros assuntos o Cointelegraph conversou com Tom Yang, vice-presidente executivo da Gate.io, corretora de criptoativos. Confira:

Bitcoin

Cointelegraph: O bitcoin falhou em sua tese de hedge de inflação? Quanto tempo durará o mercado em baixa?

Tom Yang: Não acho que o Bitcoin tenha falhado como proteção contra a inflação. Sim, no curto prazo, provou ser volátil, mas no longo prazo, superou todas as moedas fiduciárias. O Bitcoin foi desenvolvido após a crise financeira global de 2008 e agora que estamos entrando em mais uma crise financeira, será o verdadeiro teste de sua força, resiliência e os princípios que impulsionaram seu desenvolvimento e adoção em todo o mundo.

Portanto, considerando isso, o atual inverno criptográfico é diferente de qualquer outro no passado e será o principal teste para o bitcoin e as criptomoedas como um todo. Há muitas coisas a considerar. As moedas fiduciárias em todo o mundo estão sendo sistematicamente desvalorizadas, os governos podem imprimir cada vez mais, enquanto com o bitcoin a oferta é estável, a demanda existe e sua utilidade comprovada como reserva de valor na última década, apesar de ser bastante volátil no curto prazo prazo.

Play-to-earn

CT: O sucesso dos jogos play-to-ganhar do ano passado mostrou que sua economia era frágil e que não existe "dinheiro infinito". No entanto, muitos mudaram de jogar para ganhar para jogar e ganhar. Qual é, na sua opinião, o futuro dos jogos blockchain?

TY: O futuro dos jogos blockchain está, sem dúvida, ligado ao metaverso. Na maioria dos projetos, os projetos têm usado o jogo para ganhar como um truque ou incentivo para levar os usuários à plataforma, mas, como você disse, eventualmente as torneiras secam e as pessoas seguem em frente quando os incentivos são retirados.

Isso forçará os projetos a se concentrarem na criação de experiências divertidas e interativas que realmente mantenham os usuários engajados a longo prazo, em vez de usar o P2E como o principal ponto de venda.

Bancos

CT: Mais e mais bancos ao redor do mundo estão oferecendo negociação de criptomoedas e, por outro lado, mais e mais reguladores querem tratar a indústria de ativos criptográficos como provedores financeiros tradicionais. Os bancos podem ser concorrentes das exchanges no futuro ou haverá espaço para todos?

TY: Há sempre competição, mas também mais oportunidades de colaboração. Obviamente, as exchanges de criptomoedas estão ativas no setor há anos e, portanto, têm uma compreensão muito melhor dos meandros da criptomoeda.

Os bancos, por outro lado, têm décadas de experiência em navegar nos ambientes financeiros e regulatórios tradicionais. Idealmente, bancos e exchanges de criptomoedas trabalharão juntos para um conjunto de produtos mais intuitivo e abrangente, oferecendo aos usuários o melhor dos dois mundos. Vimos muitas oportunidades nessa abordagem, pois ambos desejam fornecer aos usuários a melhor experiência possível de negociação e investimento.

Metaverso

CT: O metaverso é hoje como um carro de luxo sem estrada. Especialistas apontam que há muitos impedimentos para o metaverso ganhar força, como internet suficiente, poder de processamento para gráficos, um gadget e interoperabilidade. Como você vê o futuro do metaverso? Viveremos primeiro na realidade virtual ou viveremos primeiro em Marte?

TY: Esse é o enigma de um trilhão de dólares. Coisas como conectividade suficiente, poder de processamento e gráficos podem ser facilmente resolvidas pela computação em nuvem, que cuidará do trabalho pesado. Sobre o tema do metaverso, todos estão construindo um metaverso próprio, em vez de uma experiência mais integrada e compartilhada e, pelo que vimos, ainda há um longo caminho a percorrer antes que os usuários vejam um produto final e adequado.

O conceito é excitante no entanto. Ele revela uma mudança completa de paradigma em como as pessoas vão 'viver' no mundo digital. Pode mudar radicalmente a maneira como trabalhamos, nos divertimos, socializamos com os outros e muito mais. É bastante emocionante e definitivamente acontecerá antes que os humanos colonizem Marte.

Moedas digitais de bancos centrais

CT: Mais e mais governos ao redor do mundo planejam CBDC e contratos inteligentes integrados em suas moedas digitais. Isso poderia acabar com o sonho da criptomoeda 'substituir' o dólar ou esse sonho morreu há muito tempo com #tothemoon e a luta por mais e mais valorização?

TY: Eu não vejo o 'sonho das criptomoedas' morrendo ainda. Há substituição e depois há integração, acredito que o último é um cenário mais provável. Por um lado, os CBDCs são apenas versões digitais de moedas fiduciárias tradicionais, que não são apoiadas por nada, nem têm um suprimento fixo, portanto, não corrigem os problemas inerentes que atormentam as moedas fiduciárias há anos.

Por outro lado, o mercado de criptomoedas ainda é extremamente volátil, portanto, neste momento, há poucas oportunidades para a criptomoeda substituir a moeda fiduciária ou CBDCs em um futuro próximo. Ao integrar a tecnologia que tornou a criptografia inerentemente valiosa e impulsionou a adoção em massa nos CBDCs, ajudaria a tornar os pagamentos mais seguros, transparentes e suaves.

É claro que ainda estamos a anos de distância disso e exigirá uma colaboração mais próxima entre a indústria de criptomoedas, governos e reguladores para vê-la executada corretamente.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube | Telegram | Tik Tok