Future of Money

Tokenização de ativos chegará a US$ 2 trilhões até 2030, apesar do 'começo frio', aponta McKinsey

Os ativos financeiros tokenizados tiveram um início lento, e a ampla adoção está “longe”, mas os analistas da McKinsey preveem que alguns decolarão mais rápido do que outros

Digital generated image of blue and yellow glowing data on black background. (Getty Images/Reprodução)

Digital generated image of blue and yellow glowing data on black background. (Getty Images/Reprodução)

Cointelegraph
Cointelegraph

Agência de notícias

Publicado em 25 de junho de 2024 às 09h30.

Tudo sobreTokenização
Saiba mais

Os ativos financeiros tokenizados tiveram um "começo frio", mas estão a caminho de alcançar um tamanho de mercado de cerca de US$ 2 trilhões até 2030, dizem analistas da empresa de consultoria McKinsey & Company.

"Em um cenário otimista, esse valor poderia dobrar para cerca de US$ 4 trilhões", escreveram os analistas em 20 de junho, apesar de estarem "menos otimistas do que anteriormente".

Os analistas da McKinsey disseram que há "um ímpeto visível" na tokenização, mas a adoção em larga escala ainda está distante, pois modernizar a infraestrutura financeira existente é "desafiador, especialmente em uma indústria fortemente regulada como a de serviços financeiros".

Os analistas esperam que dinheiro e depósitos, títulos e notas negociadas em bolsa (ETNs), fundos mútuos e fundos negociados em bolsa (ETFs), empréstimos e securitização alcancem "adoção significativa" primeiro — significando uma capitalização de mercado tokenizada de US$ 100 bilhões até 2030.

As estimativas dos analistas excluíram stablecoins, depósitos tokenizados e moedas digitais de bancos centrais (CBDCs).

Melhores casos de uso descongelariam o início frio

Os analistas da McKinsey apontaram que a tokenização enfrenta o típico "problema do começo frio", onde os ativos tokenizados precisam de usuários para ter valor.

A tecnologia tem problemas com liquidez limitada, o que desencoraja uma emissão tokenizada. O medo de perder participação de mercado também pode levar a ativos tokenizados com uma "emissão paralela na tecnologia legada".

Os analistas acrescentaram que a tokenização precisa de um caso de uso onde ela ofereça um benefício sobre os sistemas financeiros tradicionais.

"Um exemplo é a tokenização de títulos. Mal passa uma semana sem o anúncio de uma nova emissão de títulos tokenizados", escreveram os analistas da McKinsey.

"Embora existam bilhões de dólares em títulos tokenizados em circulação hoje, os benefícios sobre a emissão tradicional são marginais, e a negociação secundária continua escassa."

Em seu exemplo, os analistas disseram que o início lento poderia ser corrigido proporcionando "maior mobilidade, liquidação mais rápida e mais liquidez".

Os analistas da McKinsey acrescentaram que os primeiros a se mover e "pegar a onda" da tokenização podem ver uma participação de mercado desproporcional e poderiam definir a agenda sobre padrões, além de obter um impulso na reputação.

"Mas muitas mais instituições estão em modo de 'esperar para ver'", disseram eles.

Os analistas notaram que existem indicadores que sugerem quando a tokenização atingiu um ponto de inflexão. Isso inclui blockchains capazes de lidar com trilhões de dólares em volume, conectividade perfeita entre blockchains e avanços regulatórios que fornecem diretrizes claras sobre acesso a dados e segurança.

Uma nova era da economia digital está acontecendo bem diante dos seus olhos. Não perca tempo nem fique para trás: abra sua conta na Mynt e invista com o apoio de especialistas do BTG Pactual e a curadoria dos melhores criptoativos para você investir.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube Telegram | Tik Tok  

Leia mais

Acompanhe tudo sobre:CriptoativosTokenização

Mais de Future of Money

Trump quer lançar nova coleção de NFTs e diz que mercado cripto "ainda é um bebê"

Lumx: startup da Web3 faz parceria inédita com a Polygon e lança fundo de aceleração de R$ 1 milhão

ETFs de Ethereum vão atrair US$ 5 bilhões nos primeiros seis meses, projeta Citi

FTX vai pagar US$ 12 bilhões após chegar a acordo com regulador dos EUA

Mais na Exame