Exame logo 55 anos
Remy Sharp
Acompanhe:

A emissora de stablecoins Tether congelou cerca de US$ 225 milhões (R$ 1 bilhão, na cotação atual) em USDT - uma criptomoeda pareada ao dólar - em função de uma investigação do Departamento de Justiça dos Estados Unidos sobre um sindicato de tráfico de pessoas baseado no Sudeste Asiático.

Em um anúncio divulgado na última segunda-feira, 20, a Tether informou que havia trabalhado em associação com as autoridades norte-americanas e a corretora de criptomoedas OKX para congelar a quantia mantida em "carteiras externas de autocustódia".

A empresa informou que os fundos ilícitos haviam sido usados por um sindicato do crime responsável por golpes românticos de "pig butchering" – uma técnica em que os malfeitores tentam desenvolver um relacionamento amoroso on-line com indivíduos desavisados, muitas vezes convencendo-os a investir em negócios ilegítimos para posteriormente roubá-los.

De acordo com a Tether, o congelamento do USDT ocorreu após um "esforço investigativo de meses" sobre a localização dos fundos que mobilizou empresas e autoridades. A emissora de stablecoins disse que trabalharia com as autoridades dos EUA para descongelar quaisquer carteiras "legais" que possam ter sido indevidamente afetadas como parte da ação.

"Por meio do envolvimento proativo com as agências de aplicação da lei globais e nosso compromisso com a transparência, a Tether visa estabelecer um novo padrão de segurança no espaço cripto", disse o CEO da Tether, Paolo Ardoino, em uma publicação no X, antigo Twitter.

Processo bilionário no Reino Unido

Já nesta terça-feira, 21, foi revelado que a Tether enfrenta no momento uma batalha judicial envolvendo cerca de US$ 1 bilhão (R$ 5 bilhões, na cotação atual) em fundos depositados junto ao banco de investimentos Britannia Financial. A informação foi divulgada pelo jornal Financial Times.

De acordo com o jornal, a Justiça do Reino Unido está avaliando uma disputa entre a Britannia Financial e a empresa Arbitral International, que acusa o banco de não ter concluído integralmente o pagamento por uma unidade de negociação nas Bahamas adquirida da Arbitral em 2021.

A Arbitral afirma que os valores depositados pela Tether estariam ligados à unidade adquirida. Entretanto, a Britannia nega essa informação e afirma que a quantia bilionária não deveria estar envolvida no processo. A Tether ainda não se pronunciou sobre o tema.

Com informações do Cointelegraph

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube Telegram | Tik Tok

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Marcas usam a Web3 para explorar novos negócios e impulsionar resultados

Future of Money

Marcas usam a Web3 para explorar novos negócios e impulsionar resultados

Há 3 horas

Ingressos no blockchain: o exemplo que está se tornando realidade

Future of Money

Ingressos no blockchain: o exemplo que está se tornando realidade

Há 4 horas

NFT criado no blockchain do bitcoin é vendido por R$ 2 milhões e bate recorde

Future of Money

NFT criado no blockchain do bitcoin é vendido por R$ 2 milhões e bate recorde

Há 20 horas

El Salvador quer arrecadar US$ 1 bilhão por ano com visto para investidores de bitcoin

Future of Money

El Salvador quer arrecadar US$ 1 bilhão por ano com visto para investidores de bitcoin

Há 21 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Lead Energy quer reduzir R$ 1 bi na conta de luz dos brasileiros até 2027

Lead Energy quer reduzir R$ 1 bi na conta de luz dos brasileiros até 2027

Ceará deve se tornar um dos maiores produtores do combustível do futuro

Ceará deve se tornar um dos maiores produtores do combustível do futuro

“O número de ciberataques tem crescido 20% ao ano”, diz a Huawei

“O número de ciberataques tem crescido 20% ao ano”, diz a Huawei

“A geração de energia caminha lado a lado com o desenvolvimento econômico”, diz Paulo Câmara

“A geração de energia caminha lado a lado com o desenvolvimento econômico”, diz Paulo Câmara

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais