Future of Money

Reservas do PayPal em criptomoedas somam R$ 3,1 bilhões até fim de 2022

Bitcoin e ether têm as maiores participações dentre os criptoativos adquiridos pela empresa, que também oferece serviços de negociação a clientes

PayPal tem buscado investir em oportunidades envolvendo criptomoedas (Yuriko Nakao/Getty Images)

PayPal tem buscado investir em oportunidades envolvendo criptomoedas (Yuriko Nakao/Getty Images)

Publicado em 21 de fevereiro de 2023 às 10h00.

O gigante global de pagamentos PayPal detém uma parte significativa de seus passivos financeiros em criptomoedas como o bitcoin, que também são oferecidas a seus clientes. Até 31 de dezembro de 2022, a empresa detinha um total de US$ 604 milhões em vários criptoativos, incluindo também o ether, o litecoin e o bitcoin cash.

De acordo com o relatório anual arquivado na Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos em 10 de fevereiro, o bitcoin tem a maior participação nos criptoativos do PayPal, respondendo por US$ 291 milhões na divisão de ativos da empresa, enquanto US$ 250 milhões são mantidos em ether. Os US$ 63 milhões restantes incluem litecoin e bitcoin cash combinados.

O valor das participações em criptomoedas do PayPal representa 67% do passivo financeiro total da empresa, totalizando US$ 902 milhões em 31 de dezembro. O total de ativos financeiros da companhia ficou em mais de US$ 25 bilhões, de acordo com o documento.

Apesar de introduzir criptomoedas em sua plataforma há mais de dois anos para seus clientes, o PayPal não incluiu uma divisão semelhante de participações em criptomoedas em seu relatório financeiro anual anterior.

“Devido aos riscos únicos associados às criptomoedas, incluindo riscos tecnológicos, legais e regulatórios, reconhecemos uma responsabilidade de proteção de criptoativos para refletir nossa obrigação de proteger os criptoativos mantidos em benefício de nossos clientes”, escreveu o PayPal no recente documento.

O PayPal armazena as criptomoedas dos clientes por meio de um custodiante terceirizado, observou a empresa no relatório financeiro. A empresa enfatizou que exige contratualmente que o custodiante separe os ativos do cliente e não os misture com ativos proprietários ou outros.

Segundo a companhia, “não podemos ter certeza de que essas obrigações contratuais, mesmo que devidamente observadas pelo custodiante, serão eficazes para impedir que tais ativos sejam tratados como parte do patrimônio do custodiante em caso de falência ou outra lei de insolvência".

Conforme relatado anteriormente, o PayPal estreou seu serviço de retenção e venda de bitcoin nos Estados Unidos em novembro de 2020. A empresa tem feito o possível para trazer todas as integrações possíveis de blockchain e cripto para seus serviços, incluindo moedas digitais do banco central (CBDCs, na sigle em inglês), de acordo com seu vice-presidente, Richard Nash.

Cansou de tentar falar com alguém da sua Exchange? Conheça a Mynt, a única no Brasil com atendimento 24 horas e todos os dias, feito por pessoas reais. Abra agora sua conta.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube | Telegram | TikTok

Acompanhe tudo sobre:CriptoativosCriptomoedasPayPal

Mais de Future of Money

Ciclo de alta das criptomoedas chega à segunda fase: o que esperar?

Bancos gastam 25 vezes mais que fintechs com segurança digital, mas perdem 5 vezes mais em fraudes

Criptomoedas não são afetadas por apagão cibernético e usuários elogiam blockchain

Criptomoedas meme e de IA lideraram mercado cripto no 2º trimestre, mostra relatório

Mais na Exame