Future of Money

PL de criptoativos poderá ser votado em regime de urgência por deputados

Arthur Lira remeteu o Projeto de Lei à Comissão Especial, cujo parecer pode acontecer na mesma sessão de votação

O projeto chegou à Câmara do Deputados no início de maio, após ser aprovado pelo Senado (manusapon kasosod/Getty Images)

O projeto chegou à Câmara do Deputados no início de maio, após ser aprovado pelo Senado (manusapon kasosod/Getty Images)

Cointelegraph Brasil

Cointelegraph Brasil

Publicado em 19 de maio de 2022 às 10h30.

O presidente da Câmara Deputados, Arthur Lira (PP-AL), enviou para a Comissão Especial da Casa Legislativa na última terça-feira (17) o Projeto de Lei (PL) 4401/2021, que regulamenta os “ativos virtuais" no Brasil. Mas a matéria pode ser pautada a qualquer momento para discussão e votação imediata pelos deputados federais, caso os parlamentares aprovem um requerimento de urgência apresentado por Lira, previsto no artigo 155 do regimento interno.

Caso o PL 4401/2021 seja pautado e a urgência seja aprovada, os pareceres pendentes da comissão poderão ser proferidos durante a sessão. Se isso não acontecer, o presidente da Câmara pode conceder até duas sessões para emissão dos pareceres, antes da votação da propositura.

(Mynt/Divulgação)

O projeto chegou à Câmara do Deputados no início de maio, após ser aprovado pelo Senado, já que a matéria, relativa a finanças, é de natureza bicameral e, por isso, precisa de aprovação das duas Casas Legislativas.

Apesar de já ter passado pela Câmara, onde inicialmente com começou a tramitar em 2015 com o número 2303/2015, por iniciativa do deputado federal Aureo Lidio (Solidariedade / RJ), a proposta passou a tramitar como PL 4401/2021 no Senado, onde sofreu alterações em seu texto original, além da inclusão de emendas. Modificações que reconduziram o projeto para apreciação dos deputados, para que ele seja aprovado em igual teor. Caso isso aconteça, o projeto segue para sanção presidencial, antes de se tornar lei.

A matéria passou por uma reviravolta que aconteceu no Senado no final de abril, onde os parlamentares apreciariam outro projeto, o PL 3825/209 de autoria do senador Flavio Arns (Podemos – PR) que, inclusive chegou a ser pautado para votação após aprovação da Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) em fevereiro. Isso porque o relator do projeto, senador Irajá Abreu (PSD-TO), apresentou uma versão substitutiva ao projeto de Flavio Arns, no caso o PL 4401/2021, de autoria de Aureo Lidio.

O projeto

Na prática, o avanço do texto proposto por Aureo Lidio, que recebeu alterações e emendas no Senado, mudou o norte da regulamentação dos “ativos virtuais” no Brasil, em comparação com a proposta apresentava por Arns, que era direcionada à atuação das exchanges de criptomoedas. Em linhas gerais, o projeto em andamento não garante o acesso das pessoas físicas às plataformas que operarem no Brasil e ainda prevê a inclusão de crimes envolvendo os ativos virtuais no Código Penal. A proposta também chancela ao governo federal a normatização do setor, o que inclui regras para os tokens não fungíveis (NFTs), que ficaram de fora do projeto sob alegação de serem uma espécie de certidão digital de serviços e produtos. Para o advogado e tecnólogo em Internet das Coisas Fernando Lopes, o legislador usou a técnica dos “tipos abertos” ao substituir o termo “criptomoedas” por “ativos digitais”, o que seria uma estratégia para “torná-lo o mais amplo quanto possível”.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube | Telegram | Tik Tok

Acompanhe tudo sobre:Câmara dos DeputadosCriptoativos

Mais de Future of Money

Kamala Harris pode ser 'muito mais receptiva' às criptomoedas que Biden, diz Mark Cuban

Presidente do Banco Central quer "superapp" de finanças integrado com inteligência artificial

Ferrari anuncia que vai aceitar pagamentos em criptomoedas na Europa

Worldcoin, projeto de Sam Altman, nega acusações de insider trading de criptomoeda própria

Mais na Exame