“Fomos dormir e acordamos em 2025”, diz diretor da Febraban sobre o Pix

Em debate do Future of Money, especialistas mostram expectativa alta para início das operações com o Pix e acreditam em adoção massiva e acelerada

No quinto painel do Future of Moneyevento online da EXAME para discutir inovação financeira e o futuro do dinheiro com especialistas convidados — o assunto foi o Pix. E os participantes demonstraram grandes expectativas com o novo sistema de pagamentos do Banco Central, que começará a ser testado nos próximos dias.

“Um dia fomos dormir e, quando acordamos, estávamos em 2025”, disse Leandro Vilain, diretor de política de negócios e de operação da Febraban. “A gente esperava essa evolução para daqui cinco ou até mais anos”, completou, fazendo referência ao cenário favorável à digitalização dos meios de pagamento, motivada não apenas pelo Pix mas também à pandemia do novo coronavírus, que aumentou o uso de plataformas digitais de pagamentos.

 (EXAME Research/Exame)

“Hoje, 40% das transações financeiras são feitas com dinheiro em espécie, o que gera custos tanto para o governo quanto para a população”, afirmou Pedro Coutinho, CEO da GetNet, que demonstra otimismo em relação à adoção do Pix pelos brasileiros, mas faz uma ressalva:

“É o consumidor quem dá as cartas. O Brasil ainda transaciona mais de 30 milhões de cheques por mês, que às vezes pensamos que sequer existem mais. Tudo depende de uma boa experiência para o consumidor, e se isso acontecer, é muito provável que boa parte migre para o digital”.

Diretora de operações do Mercado Pago, Elaine Shimoda acredita que a experiência do uso de plataformas digitais durante a pandemia também pode ajudar a popularizar o uso do Pix e a superar dificuldades ligadas à necessidade de se aprender a utilizar uma nova tecnologia: “Quando o consumidor enxerga benefício, ele aprende rápido. Foi assim com o auxílio emergencial, que não apenas bancarizou milhões de pessoas, como as trouxe para o digital. Muita gente agora chega ao Pix com o conhecimento adquirido nesse processo”.

Sobre o impacto do Pix nos demais métodos de pagamento utilizados no Brasil, Coutinho não enxerga riscos para o mais tradicional deles: o cartão de crédito. Para ele, nem tudo será substituído pelo Pix, e o cartão de crédito é um desses casos: “O brasileiro precisa de crédito. A indústria brasileira faturou 1,8 trilhão de reais no ano passado, e 65% deste valor foram pagos com cartões de crédito. Metade desse valor, inclusive, com parcelamento de até 12 vezes”, disse.

Não são apenas os especialistas que estão otimistas com o início das operações do Pix. Consumidores e as próprias instituições também seguem o mesmo caminho, e números do Banco Central sustentam a afirmação: hoje, a mais de 15 dias do lançamento oficial do sistema, já são mais de 50 milhões de chaves cadastradas pelos consumidores e 762 instituições financeiras credenciadas para utilizar o Pix.

Assista ao debate sobre o Pix, mediado pelo editor da EXAME, Filipe Serrano, no player abaixo. E, para ver a agenda com as próximas lives do Future of Money, basta clicar aqui.

Espera! Tem um presente especial para você.

Uma oferta exclusiva válida apenas nesta Black Friday.

Libere o acesso completo agora mesmo com desconto:

exame digital

R$ 15,90/mês

R$ 6,36/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

R$ 40,41/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.