'Nenhum esforço para me esconder', diz criador de cripto que deixou bilhões de dólares em prejuízo

Do Kwon usa redes sociais para dizer que não tinha visto seu nome em lista da Interpol, mas nem todos os nomes são revelados publicamente
Do Kwon teve seu nome inserido em lista de procurados pela Interpol (Bloomberg/Getty Images)
Do Kwon teve seu nome inserido em lista de procurados pela Interpol (Bloomberg/Getty Images)
C
Cointelegraph BrasilPublicado em 27/09/2022 às 12:57.

Procurado pelas autoridades sul-coreanas, Do Kwon, cofundador do protocolo blockchain Terra e das criptomoedas LUNA e USDT, sugeriu que não está mudando sua rotina em resposta a uma possível ação legal e fez pouco caso do fato de ter seu nome colocado em lista de foragidos procurados pela interpol. Seu paradeiro, entretanto, ainda continua desconhecido.

Em uma publicação nas redes sociais na segunda-feira, 26, Kwon disse que pode ter sido visto andando na rua ou em shopping centers nas “últimas duas semanas” – sem oferecer pistas sobre em que cidade ou país –, apesar de a Interpol supostamente ter emitido um Alerta Vermelho para detê-lo. Kwon disse a seus mais de um milhão de seguidores que não tinha encontrado seu nome na lista de indivíduos que a Interpol deve “localizar e prender provisoriamente". No entanto, nem todos os nomes na lista de de alerta vermelho da Interpol são revelados publicamente.

(Mynt/Divulgação)

“Estou escrevendo código na minha sala de estar”, disse Kwon. “Estou fazendo zero esforço para me esconder.”

Ativo nas mídias sociais enquanto enfrentava um mandado de prisão decorrente de um processo aberto na Coreia do Sul, Kwon revelou estar em Singapura no momento da publicação, mas uma reportagem de 17 de setembro, publicada pela Reuters, sugere que ele pode ter deixado o país. O cofundador do Terra é cidadão sul-coreano. A dupla cidadania na Coreia do Sul geralmente não é permitida, apesar de haver exceções, mas não está claro se Kwon possui passaporte de mais de um país.

Uma figura proeminente na indústria de criptomoedas por seu envolvimento com o Terraforms Labs (TFL), Kwon se tornou uma pessoa procurada pelas autoridades sul-coreanas em decorrência do colapso da stablecoin algorítmica TerraUSD Classic (USTC) - originalmente TerraUSD (UST).

Em maio, a stablecoin perdeu a paridade com o dólar e caiu para quase zero em menos de duas semanas. O preço do Terra (LUNA) - agora Terra Classic (LUNC) - também caiu, causando problemas de liquidez a muitas plataformas CeFi (Finanças Centralizadas), incluindo a Celsius e a Voyager.

Kwon e outros funcionários do Terra se tornaram alvos de uma investigação das autoridades financeiras sul-coreanas, que supostamente invadiram os escritórios das exchanges de criptomoedas Gopax, Coinone, Upbit, Bithumb e Korbit em julho. Mais tarde, um tribunal sul-coreano emitiu um mandado de prisão para Kwon e cinco indivíduos ligados ao Terra por supostamente violar as leis do mercado de capitais do país.

Kwon disse em 17 de setembro que não estava “fugindo ou algo semelhante”, depois que a Força Policial de Singapura (SPF) afirmou que Kwon não estava na cidade-estado. A Coreia do Sul não tem acordo de extradição com Singapura, e o Alerta Vermelho da Interpol só pode solicitar que a polícia local detenha Kwon caso ele seja localizado.

Em meio à controvérsia sobre a localização de Kwon e sua possível prisão, as autoridades financeiras indonésias estão trabalhando para modificar a política existente para evitar situações semelhantes com outros líderes de empresas de criptomoedas do país.

Em 21 de setembro o chefe interino da Agência Reguladora de Negociação de Futuros de Commodities, Didid Noordiatmoko, disse que as mudanças propostas para garantir que dois terços dos diretores e comissários das empresas de criptomoedas fossem cidadãos indonésios ajudariam as lideranças a “fugir do país caso surja algum problema”.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube | Telegram | Tik Tok