Não existe razão para não ter bitcoin por 100 anos, diz Michael Saylor

CEO da MicroStrategy diz não ter pressa sobre o futuro do bitcoin e que empresa pretende "manter para sempre uma reserva não-soberana de valor"

Michael Saylor, CEO da empresa de softwares MicroStrategy, defendeu firmemente a posição otimista da empresa em relação ao bitcoin no longo prazo, devido ao seu "potencial único para se transformar no futuro da propriedade".

Em entrevista à Bloomberg TV, Saylor argumentou que a grande aposta da MicroStrategy no bitcoin é a "estratégia de maior retorno e menor risco" que a empresa pode perseguir, mesmo que a empresa tenha tido que contrair dívidas para sustentá-la.

“Algumas pessoas acreditam que diversificar significa comprar outros tipos de criptomoedas ou ações”, disse ele. “Nós achamos que diversificar é segurar bitcoin. Podemos ver o bitcoin nos balanços patrimoniais de cidades, estados, governos, empresas, pequenos e grandes investidores. Em última análise, o bitcoin será central para a inovação tecnológica na Apple, na Amazon e no Facebook, por isso queremos manter o bitcoin.”

Em resposta ao questionamento do entrevistador sobre como os interesses de gigantes como o Twitter e o Facebook, que funcionam a partir de uma estrutura centralizada, podem se adequar a uma rede descentralizada, Saylor argumentou que o bitcoin é chave para resolver os problemas recorrentes de segurança cibernética e spam destas empresas.

A integração com o bitcoin - e, especificamente, com a Lightning Network, rede de micropagamentos para detentores de bitcoin - poderia resolver problemas ao promover a incorporação de um ecossistema capaz de garantir credibilidade e confiança: “Se você quiser melhorar a experiência do usuário [nessas plataformas de tecnologia], você precisa entrar no jogo. E o bitcoin é o melhor sistema para todos que estão envolvidos no ambiente cibernético. Dorsey entende isso. É o melhor aplicativo para integrar segurança cibernética a uma rede de confiança internacional.”

A razão pela qual a MicroStrategy está fortemente alavancada em bitcoin - de forma controversa, a empresa tomou emprestados 2,2 bilhões de dólares a uma taxa de juros de cerca de 1,5% para investimento no ativo - é que a empresa prevê que o BTC será usado por “bilhões de usuários por ser uma rede aberta e não-permissionada.”

Embora atualmente a empresa tenha uma perspectiva de 10 anos para o investimento, os comentários de Saylor sugeriram que sua posição tem um sentido verdadeiramente maximalista: “As pessoas brincam que o Bitcoin não é realmente uma estratégia de investimento, é uma estratégia de saída. O que queremos é manter para sempre uma reserva não soberana de valor [...] eu fiz uma pesquisa: o usuário médio do Twitter acha que [o BTC] vai durar 3.500 anos. Ninguém está com pressa. Estamos pensando que é o futuro da propriedade.”

A moeda também atende às necessidades dos traders do varejo, observou Saylor, ressaltando que as criptomoedas oferecem aos usuários de aplicativos como o Robinhood a possibilidade única de negociação de ativos 24 horas por dia, sete dias por semana, 365 dias por ano. Em sua opinião, “faz todo o sentido” para o Robinhood dedicar-se com afinco a essa classe de avitos, aumentando as funcionalidades de sua plataforma. Ainda assim, o bitcoin, como o “rei do baixo risco entre as criptomoedas”, é, para Saylor, “onde está todo o tráfego e toda a emoção”.

De acordo com um estudo recente da Crypto.com, o número de usuários de criptomoedas em todo o mundo mais do que dobrou no primeiro semestre deste ano, saindo de 100 milhões em janeiro para 221 milhões em junho. Embora o bitcoin seja o preferido da maior parte dos usuários de criptomoedas, altcoins menores lentamente vem aumentando sua participação no mercado, crescendo tanto sobre o BTC quanto sobre o ether (ETH), o segundo ativo mais popular do mercado.

por Cointelegraph Brasil

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também